O exame de sequenciamento genético realizado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) descartou a suspeita de infecção pela variante Ômicron do coronavírus na amostra da paciente que testou positivo para Covid-19 em Belo Horizonte após ter viajado para a África. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta sexta-feira (3).

De acordo com a SES, a análise se mostrou mais próxima geneticamente à linhagem B.1.640, já identificada anteriormente na França, República do Congo, Gana, Itália, Inglaterra, Espanha e Estados Unidos.

A linhagem, até o momento, não é classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma Variante de Interesse (VOI) ou Variante de Preocupação (VOC).

A paciente, uma mulher de 33 anos, com passagem pelo Congo, foi internada na última segunda-feira (29) no Hospital Eduardo de Menezes, no Barreiro. De acordo com a secretaria, ela apresenta boa evolução em seu quadro de saúde.

“A SES-MG informa ainda que não há nenhum outro caso suspeito de variante Ômicron em investigação no Estado”, afirma por meio de nota.

Além disso, o órgão ressalta a importância de manter o cumprimento dos protocolos sanitários e do esquema completo de vacinação, estratégias indispensáveis para o sucesso dos esforços no enfrentamento da pandemia.

 

Leia mais:

O que se sabe até agora sobre a variante Ômicron do coronavírus
Garganta 'arranhando' e cansaço extremo: veja os sintomas da variante Ômicron do coronavírus