Exames toxicológicos apontaram a intoxicação por níquel em onze moradores da cidade de Barra Longa, atingida pelo rompimento da barragem da Samarco, em novembro de 2015. Os dados estão em um relatório do Instituto Saúde e Sustentabilidade, enviado ao Ministério Público, ao qual a BBC Brasil teve acesso e divulgou nesta segunda-feira (26).

Os exames foram realizados em 2017, com pessoas com idade entre 2 e 92 anos; 13 metais foram pesquisados.

Dos 11 participantes, todos apresentaram aumento de níquel no sangue e 10, diminuição de zinco. Três apresentaram pequeno aumento de arsênio e cinco pessoas registraram o nível de arsênio acima da normalidade.

O relatório ressalta que, como há presença de arsênio na região, é possível que a população já estivesse exposta ao metal antes do rompimento.

Ainda conforme a publicação da BBC, o relatório destaca que, pelo número reduzido de participantes, ele não é suficiente para estabelecer uma relação causal entre a intoxicação e o desastre de Mariana, mas pode contribuir com estudos mais aprofundados. 

A Fundação Renova, criada para administrar os trabalhos de recuperação do Rio Doce e as ações de compensação após o desastre, informou, por meio de nota, que "está empenhada em avaliar os eventuais riscos à saúde humana decorrentes do rompimento da barragem de Fundão e, em um novo esforço para investigar a situação, dentro de uma série de estudos epidemiológicos e toxicológicos em toda a área impactada, a Fundação Renova abriu há 15 dias uma chamada técnica". (Leia abaixo a nota na íntegra).

Saúde

O excesso de níquel pode provocar dermatites, diarreias, náuseas, entre outras doenças. Já o arsênio, a longo prazo e em grande quantidade, pode provocar doenças cardiovasculares, diabetes e câncer.

O zinco, porém, é importante no organismo e participa da síntese e degradação de carboidratos, lipídeos e proteínas ao funcionamento do sistema imunológico. A combinação com o níquel pode ser uma das hipóteses da queda no sangue.

Acidente

O rompimento da barragem ocorreu no dia 5 de novembro de 2015, em Mariana. O episódio é considerado a maior tragédia ambiental do Brasil. Cerca de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração foram liberados no ambiente, devastando vegetação nativa e poluindo o Rio Doce até a sua foz. Comunidades também foram destruídas e 19 pessoas morreram.

Nota Fundação Renova

"A Fundação Renova esclarece que mantém permanente diálogo com especialistas, autoridades estaduais e federais de saúde, bem como com a Secretaria Municipal de Saúde de Barra Longa-MG sobre as situações relacionadas à saúde da população dos municípios atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Fundação ressalta que quaisquer danos à saúde da população que tenham relação comprovada com o rompimento serão considerados e tratados no processo de reparação. 

A organização está empenhada em avaliar os eventuais riscos à saúde humana decorrentes do rompimento da barragem de Fundão e, em um novo esforço para investigar a situação, dentro de uma série de estudos epidemiológicos e toxicológicos em toda a área impactada, a Fundação Renova abriu há 15 dias uma chamada técnica. O objetivo é identificar eventuais contaminantes, rotas de exposição e populações expostas ou potencialmente expostas aos compostos químicos decorrentes da barragem de Fundão e também estabelecer as implicações para a saúde humana.

A pesquisa recente realizada pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade sobre as condições de saúde da população local não comprovou nexo casual entre o rompimento e os danos à saúde da população.

“Não é possível afirmar a relação entre os resultados do exame com o rompimento. Também não é possível afirmar a relação dos resultados do exame com intoxicação da população de Barra Longa”, afirma a pesquisadora Evangelina Vormittag, diretora técnica do Instituto Saúde e Sustentabilidade.

A Fundação informa, ainda, que segue monitorando a qualidade do ar no município. Os resultados atuais estão dentro dos parâmetros exigidos pela legislação brasileira. Desde fevereiro de 2016, duas estações de monitoramento automático estão instaladas em Barra Longa. O monitoramento automático fornece 24 resultados por dia por parâmetro, totalizando 5.760 medições por mês. Em nenhum deles há dados que comprometam a saúde das pessoas das áreas de abrangência dos monitoramentos.

Fortalecimento do sistema de saúde local

Alinhada com o seu propósito de atuação, a Fundação Renova realiza um trabalho contínuo, junto ao poder público de Barra Longa, para fortalecer os serviços de saúde do município. As ações incluem a disponibilização de 20 profissionais da área de saúde e de uma ambulância para reforçar o atendimento de saúde pública local, com foco nos impactados pelo rompimento da barragem de Fundão. A Fundação também oferece cursos de capacitação para equipes de saúde do município, adicionais às capacitações já oferecidas pelo sistema de saúde pública a estes profissionais.

Também está em andamento a contratação de um especialista em toxicologia com notório saber para contribuir com elaboração de protocolos específicos e apoio aos profissionais de saúde em Barra Longa. Ele não atenderá à população. Sua atuação será direcionada ao aprimoramento técnico da atuação dos profissionais locais de saúde".

Leia mais:
Indenizações pelo desastre ambiental em Mariana devem chegar a R$ 2 bilhões
Recuperação do Rio Doce vai além da reparação dos danos, diz Fundação Renova