Para documentar a situação e constatar visualmente a condição das águas do rio Paracatu, uma equipe do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e do Instituto Estadual de Florestas (IEF) desceu 366 km do trajeto do corpo d'água em uma expedição do Movimento Verde de Paracatu (Mover), em parceria com o Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Paracatu (CBH Paracatu). Todo o percurso foi percorrido entre os dias 10 e 13 de maio, com mais de 16h de navegação.

De acordo com o Governo do Estado de Minas Gerais, a expedição contou com um total de 12 pessoas que desceram o rio durante três dias e quatro noites, até a foz do Paracatu, no encontro com o rio São Francisco. O grupo passou ainda pelos afluentes Entre Ribeiros, Preto, Verde, Caatinga, do Sono e Ribeirão Santa Fé. 

Localizado no Médio São Francisco, o rio Paracatu tem por cabeceiras duas veredas conhecidas como Cana Brava e Riacho do Cavalo, localizadas na Serra de São Braz, prolongamentos da Serra da Marcela, entre a Chapada da Ponta Firme e da Serra do Garrote.

Essas serras são os divisores de água da Bacia Hidrográfica do Rio Paranaíba. A bacia hidrográfica se localiza, quase que integralmente, no estado de Minas Gerais, tendo apenas 4.400 dos seus 45.280 quilômetros quadrados, no estado do Goiás. O Rio Paracatu deságua no Rio São Francisco, a cerca de 130 quilômetros a jusante de Pirapora.

“Mais que uma expedição técnica, a ação buscou aproximar os participantes com o rio, além de possibilitar maior percepção social, cultural e humana que envolve a bacia”, destacou a analista ambiental do Igam e secretária adjunta do CBH Paracatu, Lara Fonseca. Segundo ela, foi uma oportunidade única participar da expedição, navegar, nadar e pescar pelo rio Paracatu.

“Pudemos perceber que, apesar de tantos conflitos pelo uso de água que a bacia vivencia, o rio está vivo. Isso foi muito percebido durante a expedição. Presenciamos os diversos usos, encontrando com pescadores, turistas e ribeirinhos durante a travessia”, disse a servidora. No Paracatu, existem atualmente 1.165 outorgas concedidas para uso de água superficial e 1.160 de uso subterrâneo.

Situação superou as expectativas

Aind conforme os membros da expedição, durante o trajeto foi possível documentar a situação do rio Paracatu e constatar que a situação da bacia superou a expectativa dos integrantes, mostrando que o trabalho de preservação deve ser contínuo, possibilitando a melhoria da quantidade e qualidade da água na bacia hidrográfica.

O servidor da regional Noroeste do IEF e conselheiro do CBH Paracatu, Danilo Dias, comentou sobre a expedição e como ela pode contribuir no trabalho de preservação da Bacia. “Achei o rio muito melhor do que eu esperava. Ele está vivo e com uma quantidade de água significativa. Esperamos que os resultados da expedição contribuam para a conscientização da sociedade no compromisso de preservação dos recursos hídricos, pois sem ele não há sustentabilidade da sociedade”, afirmou.

“Estamos satisfeitos com o trabalho na expedição. Nossa luta continua em busca de agregar um número ainda maior de pessoas comprometidas com as causas ambientais, e principalmente, com a preservação de nossas bacias hidrográficas”, disse o presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Paracatu, Antônio Vieira.

Toda a situação encontrada ao longo do percurso foi documentada e diagnosticada. Apurou-se que, apesar de ainda ser necessário melhorar a preservação da mata ciliar, das nascentes dos afluentes do rio, e do solo, o Paracatu está melhor do que o esperado. Segundo a equipe, o rio está com grande quantidade de água e menos poluído, algo muito positivo para um afluente do rio São Francisco.

Leia mais:
Água é considerada boa em apenas 6,5% dos rios da Mata Atlântica
Programa prevê a recuperação de 36 bacias hidrográficas de Minas
'Rio Paraopeba pode ter salvado o São Francisco', diz presidente do Comitê
Dois córregos de Brumadino somem embaixo da lama, revela CBH do Rio Paraopeba