Um rico acervo de fotos, vídeos e utensílios da cultura quilombola do Vale Jequitinhonha, em Minas Gerais, estará em exposição a partir desta quarta-feira (11) em Minas Novas, cidade localizada na região. A iniciativa busca mostrar o patrimônio cultural e resgatar a memória desses povos.

quilombolaInstrumentos utilizados pelos quilombolas fazem parte da exposição

O material estará disponível na Escola Estadual Presidente Costa e Silva, até 18 de janeiro. Gratuita, a visitação ocorre de de terça a sábado, das 9h às 17h.

Na exposição “Quilombos do Vale do Jequitinhonha, resistência, cultura e memória”, o público poderá conferir bateias, tambores, vasos de barro e ferros centenários, objetos de trabalho e artesanato utilizados pelas comunidades. Ao todo, foram pesquisadas 60 quilombos dos municípios de Minas Novas, Berilo, Chapada do Norte e Virgem da Lapa.

Os moradores desses locais participaram cantando, dançando e relembrando as histórias dos antepassados. Hoje, os mais novos lutam para preservar as tradições.

Foram filmadas cerca de 150 horas de festas, encontros, apresentações e depoimentos. O trabalho também resultou em um grande acervo fotográfico.

quilombola

Pessoas mais velhas passam tradição para os mais jovens, que buscam preservar a cultura e memória dos quilombos

Pesquisa

A mostra é um desdobramento de pesquisa homônima de preservação da memória e cultura dos quilombos. De acordo com a organização, o Vale do Jequitinhonha se apresenta com um legado de histórias de luta e superação desses povos, grande parte vindo da África para atuar na mineração.

Dentre as crenças dos quilombolas destaca-se a fé em Nossa Senhora do Rosário. Inclusive, a devoção e empenho foram fundamentais para o desenvolvimento e ascensão das cidades da região, frisa os promotores do projeto, realizado por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cidadania.

Leia Mais:

Dia da Consciência Negra: evento nas Faculdades Promove celebra a data

Governo federal reconhece comunidade ameaçada de despejo no Santa Tereza como quilombola