A Faculdade de Direito da UFMG vai instalar uma comissão para apurar a suspeita de discriminação racial cometida por um estudante da instituição. O caso ocorreu na última quarta-feira. Segundo a nota assinada pelo diretor Fernando Jayme, a escola vai adotar todas as medidas de sua competência para coibir condutas discriminatórias em seu âmbito.

“Vamos comunicar o fato ao Ministério Público Estadual e Federal, ao Conselho de Direitos Humanos do Estado, à Assembleia e à Reitoria da UFMG”, explica.

O crime

Segundo testemunhas e texto da instituição, o aluno de Ciências do Estado, após passar indevidamente por debaixo da catraca da portaria do prédio da faculdade, dirigiu-se ao chefe de Serviços Gerais e disse: “Você tem que segurar seus gorilas”.

Os membros da segurança, que são negros, se sentiram ofendidos e imediatamente acionaram a Polícia Militar. Em seguida, foi registrado o Boletim de Ocorrência.

De acordo com o diretor da instituição, a Faculdade poderá punir o aluno com advertência ou até exclusão.

"A diretoria reforça ainda que a catraca foi adotada mediante um processo democrático, por meio de reuniões com a Congregação (órgão máximo da escola), que conta com a participação de professores, servidores e representantes dos estudantes. Concluímos que era necessário colocar as catracas para trazer segurança à nossa comunidade acadêmica”, diz o texto assinado pelo diretor.