A campanha de vacinação contra a gripe, iniciada na primeira semana de abril e com previsão de término em 31 de maio, poderá ser prorrogada. A ampliação do período de vacinação pode ser necessária, conforme o Ministério da Saúde, pela baixa procura da população à dose de imunização. Neste sábado (4), em todo o Brasil, ocorre o dia D de imunização contra o vírus influenza. 

De acordo com o secretário de Vigilância à Saúde do órgão, Wanderson Oliveira, apenas 30% do grupo prioritário para a campanha se vacinou. O ideal era que, até este sábado (4), este percentual estivesse em 50%. O grupo prioritário é composto por idosos com mais de 60 anos, crianças de seis meses a seis anos, gestantes, mães que tiveram o filho há 45 dias, pessoas com doenças crônicas, professores e profissionais da saúde. 

“Nós vamos prorrogar o tempo que for necessário. Se tiver vacina, as pessoas vão vacinar. Não podemos perder vacina porque não houve procura na unidade de saúde. Mas temos tempo e contamos com a ajuda da comunidade para atingir a meta de cobertura”, disse o secretário. 

A situação mais crítica, conforme o secretário, é no grupo das crianças. “Elas não vão aos postos sozinhas, é preciso uma mobilização familiar para atingirmos a meta”, afirmou Wanderson. Além da falta de conscientização, outro problema enfrentado pelo Ministério de Saúde para atingir a meta é a divulgação de fake news sobre a vacina. “Fake news atrapalham muito e já há um trabalho imenso de retirar notícias falsas de redes sociais”, explicou. 

Ainda conforme o secretário, o problema não é exclusivo do Brasil. “A vacina é brasileira, é segura e faz somente bem”, complementou. A  meta do Ministério da Saúde é de imunizar 59,5 milhões de pessoas no país. A vacina da gripe protege contra o vírus influenza, que pode desencadear a gripe H1N1. 

BH

Em Belo Horizonte, a Secretaria Municipal de Saúde estimou que 876 mil pessoas devem se vacinar. A meta, no entanto, é de atingir 90% deste público. “Nós estamos um pouco acima da média do país. Já temos 34% da população vacinada. É uma ação de prevenção porque as doenças respiratórias tendem a aumentar a partir de maio com a queda na temperatura e os casos costumam ser mais graves com as pessoas do grupo prioritário”, disse Jackson Machado, líder da pasta na capital.  

Neste sábado (4), os 152 centros de saúde da metrópole estão abertos entre 8h e 17h para a vacinação. A orientação da PBH é para a população se dirigir à unidade mais próxima.