Está detido no presídio de São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), um homem de 50 anos que se passava por promotor de Justiça em Betim. Segundo o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o suspeito de estelionato exibia identidade funcional falsa para atrair vítimas e fazia falsas promessas de conseguir ou facilitar aposentadorias em troca de auxílio pecuniário para as “custas do processo”.

As investigações da Polícia Civil apontaram que ele usava um perfil falso em uma rede social com diversas fotos do Ministério Público e da Polícia Civil e alegava ser a “instituição policial responsável por sua proteção”. Só nos últimos quatro meses, ele teria feito mais de 20 vítimas. Mas as investigações apontaram que o golpe era praticado desde 2007 e que o homem teria feito mais de 200 vítimas desde então. 

Ainda conforme o MPMG, ele atraía as vítimas para os prédios do Poder Judiciário, onde simulava audiências e despachos, e chegou a falsificar carimbos e assinaturas de advogados para forjar “procurações” e ter acesso a processos judiciais em curso. 

Na casa dele foram encontrados vários documentos falsificados, carimbos de advogados e médicos, receitas médicas, carteiras de trabalho e carteiras com brasões utilizadas para aplicar golpe e certa quantia em dinheiro.