A cena é de um casamento tradicional: tem a noiva, o noivo e um padre. Os convidados também estavam lá. Mas a cerimônia que parou o Centro de Belo Horizonte no início da tarde desta quinta-feira (11) foi realizada no canteiro da avenida Olegário Maciel, uma das mais movimentadas da capital mineira e onde o casal mora.

Entre carros, ônibus e muitos curiosos, Selma, de 42 anos e João, de 38, trocaram alianças e o desejo de um "felizes para sempre". Assista ao vídeo:

O casamento simbólico foi realizado pela equipe de abordagem que acompanha os moradores de rua da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania. Eles atuam com psicólogos e assistentes sociais no apoio da população em situação e principalmente na busca de respostas para eles.

Selma é de Irecê, na Bahia e João, de Governador Valadares, no Leste do Estado. Eles se conheceram em Itaúna, no interior de Minas e estão juntos há dois anos, morando nas ruas de BH.

Todos conheciam o desejo da Selma de se casar e tudo foi preparado com a ajuda dos comerciantes da região. A auxiliar administrativa Cristiane Aparecida da Cunha, que trabalha numa loja de embalagens da rua Tupi, fez o bolo de casamento. “O João recolhe papelão aqui na loja. Ele pediu balões para enfeitar a calçada, mas eu resolvi fazer o bolo, nós montamos a mesa com os doces. Quando ela viu o bolo até chorou”, conta.

Segundo a secretaria, eles tiveram o sonho realizado com todos os detalhes que um casal merece. O “dia de noiva” foi no Centro Integrado de Atendimento à Mulher, no bairro Lagoinha, na Região Noroeste. 

“A maioria das pessoas que estava em horário de almoço foi ao casamento. Todo mundo aqui da rua gosta muito deles”, conclui a auxiliar administrativa