A BHTrans está prestes a definir a empresa que será responsável por colocar em prática a locação de bicicletas em Belo Horizonte. Dos dois grupos que disputavam a licitação, um foi desabilitado. Nesta sexta-feira (21), a proposta da pernambucana Serteel – a única que permanece na concorrência – será avaliada.

Com a aprovação e a assinatura do contrato, a permissionária terá até 30 dias para apresentar o projeto e outros 90 para adquirir os veículos.

O plano inicial da prefeitura é de que 30 estações sejam instaladas em pontos estratégicos da capital. Trezentas bicicletas serão disponibilizadas para que os moradores possam alugá-las em um endereço e deixá-las em outro.

Embora o projeto ainda não tenha saído do papel, Márcio Aguiar, coordenador do curso de Engenharia de Transportes da Universidade Fumec, cita dois cuidados que devem ser observados para que a iniciativa seja bem-sucedida.

“É preciso investir na manutenção dos equipamentos e na segurança para evitar o furto das bicicletas. Caso contrário, o sistema estará cheio de problemas e ficará desacreditado pela população antes mesmo de ser alavancado”, ressalta.

Segundo ele, esses são os mesmos desafios do Rio de Janeiro. Na capital fluminense, a locação de magrelas acontece desde 2011.

Apesar dos morros de BH ainda serem vistos como um empecilho para o meio de transporte, Márcio Aguiar acredita que muita gente estará disposta a encarar subidas mais leves se o percurso for curto.