Cinco homens suspeitos de armazenar e compartilhar pornografia infantil na internet foram presos em flagrante, na quinta-feira (25), em Belo Horizonte e Contagem, na Região Metropolitana. Dentre os detidos estão um fisioterapeuta, de 42 anos, e um finlandês, naturalizado brasileiro, de 78 anos. 

As prisões aconteceram durante a segunda fase da Operação Infância Reavida, deflagrada pela Polícia Civil. Ao todo, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça mineira, nas duas cidades, "resultando na arrecadação de grande volume de arquivos que eram compartilhados". 

De acordo com a polícia, foram apreendidos, também, equipamentos eletrônicos e de informática, dentre eles notebooks, computadores, celulares, câmeras fotográficas, HDs externos e pen drives. O material será examinado pela perícia e poderá confirmar novos crimes. 

Em nota, os investigadores informaram que os presos são suspeitos de "exploração sexual infantil por meio de compartilhamento e armazenagem de arquivos contendo cenas de sexo explícito ou pornografia envolvendo crianças e adolescentes".

Os homens e o material apreendido foram levados para a Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), na capital mineira.

Punição

A punição varia conforme o crime. Para aqueles que armazenam conteúdo, a pena pode variar de 1 a 4 anos, mas cabe fiança. Quem compartilha conteúdo relacionado à pornografia pode pegar de 3 a 6 anos, sem possibilidade de responder em liberdade. As penas podem ser somadas, também, para os casos em que o suspeito comete os dois crimes.

Leia mais:
Operação de combate à pedofilia cumpre mandados em Minas