Peças importantes da paleontologia e arqueologia guardadas no Museu de História Natural e Jardim Botânico, da UFMG, podem ter sido destruídas por um incêndio que atingiu o acervo nesta segunda-feira (15). Porém, somente após perícia da Polícia Federal é que a universidade mineira dará a real dimensão do prejuízo.

O espaço, que fica no bairro Horto Florestal, região Leste de BH, pegou fogo por volta das 5h30. Lá, existem mais de 265 mil peças e coleções científicas. Diretora do local, Mariana de Oliveira Lacerda informou que ainda é prematuro apontar o que foi devastado pelas chamas. “Certamente, afetou uma área muito importante”, adiantou.

A UFMG informou, por meio de nota, que a Administração Central da Universidade está tomando as medidas cabíveis neste momento e auxiliando as autoridades competentes na perícia (veja íntegra abaixo).

O fogo atingiu três salas de um prédio usado pela administração. O local abriga coleções que não ficam em exposição. De acordo com Mariana, pesquisadores e cientistas da UFMG já estão mobilizados para entender o dano e como as peças serão restauradas.

“Hora de arregaçar as mangas e fazer o que precisa ser feito para entender melhor a situação”, destacou. Apesar de ainda não saber o que foi consumido pelo fogo, a UFMG garantiu que o presépio do Pipiripau não foi afetado.

Segurança

Funcionários do museu informaram que fizeram ronda no local às 5h e nenhum problema havia sido detectado. Trinta minutos depois, os vigias ouviram o estrondo de uma janela e perceberam o incêndio. Às 6h30, o chamado da ocorrência entrou no sistema do Corpo de Bombeiros, que enviou uma equipe.

“Houve desabamento parcial do telhado e não existe o risco de desabamento (das paredes)”, explicou o tenente Ivan Lobo, após a contenção das chamas. Durante toda a manhã, os militares trabalharam no rescaldo. No entanto, o serviço é feito com cautela para que mais peças do acervo não sejam destruídas pela água.

A diretora do museu garantiu que o espaço seguia todas as medidas de segurança e prevenção contra incêndio. “O museu tem detecção de fumaça que todo sistema de vigilância constante”, explicou. “O dano foi pontual, mas em uma área importante”, acrescentou.

Coleção

O Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG fica em uma área de aproximadamente 600 mil metros quadrados no Horto. Ele possui vegetação diversificada e típica da Mata Atlântica, que reúne, além das nativas, espécies exóticas.

Conforme a universidade, o museu é composto por 265.664 itens entre peças e espécimes científicos preservados e vivos, nas áreas da Arqueologia, Paleontologia, Geologia, Botânica, Zoologia, Cartografia Histórica, Etnografia, Arte Popular e Documentação Bibliográfica e Arquivística.

O espaço conta ainda com um auditório, um viveiro de mudas, uma lagoa, um anfiteatro ecológico e um jardim sensorial.

Veja, na íntegra, nota enviada pela UFMG:

"Na manhã desta segunda-feira, 15/06, a UFMG foi informada de um incêndio nas dependências do Museu de História Natural e Jardim Botânico (MHNJB), localizado na região leste de Belo Horizonte. O fogo foi, assim que identificado, combatido por funcionários que integram a brigada de incêndio do próprio Museu. O Corpo de Bombeiros foi acionado imediatamente, chegando ao espaço e debelando as chamas ainda no período da manhã. 

Ainda não são conhecidas informações sobre o horário exato do início e as causas do incêndio, que ficou concentrado em uma das edificações, que abriga parte da reserva técnica do Museu. Neste momento, o local está isolado e sendo periciado. 

A Reitoria da UFMG manifesta imenso pesar e se solidariza com a diretoria, com aqueles que integram o corpo funcional do Museu de História Natural e Jardim Botânico e com toda a comunidade que atua neste que é um importante patrimônio da Instituição. A Administração Central da Universidade ressalta que está tomando as medidas cabíveis neste momento e auxiliando as autoridades competentes na perícia. O MHNJB possui um precioso acervo e é um importante espaço de pesquisa, de extensão e de preservação histórica instalado em uma área com aproximadamente 600.000 m² com vegetação diversificada e típica da Mata Atlântica, que reúne, além das nativas, espécies exóticas e animais que não sofreram dano causado pelas chamas. A Reitoria da UFMG agradece a ação rápida dos brigadistas de incêndio e informa que estará, junto com diretoria e equipe do Museu, em busca de alternativas e soluções no sentido de reparar de forma célere os danos causados".

Leia também:
Museu de História Natural da UFMG pega fogo em BH e parte do acervo é atingida