São João, Santo Antônio e São Pedro. O período das festas juninas chegou e, com ele, a época das quadrilhas, ruas enfeitadas de bandeirinhas, roupas coloridas e comidas típicas. Um detalhe que também chama atenção e encanta o público são os rojões e fogos de artifícios. Mas o barulho provocado por eles pode causar danos à audição, em alguns casos irreversíveis. Os bebês e crianças são as maiores vítimas. Por isso, é preciso alguns cuidados para curtir o festejo sem danificar os ouvidos.

Segundo a fonoaudióloga Marcella Vidal, o principal sintoma do barulho excessivo é o aparecimento imediato de zumbido. "O maior problema é a intensidade de som dos fogos em um curto espaço de tempo. O prejuízo é imediato, se estivermos muito perto. O sintoma mais recorrente é o zumbido, transtorno que atinge milhões de pessoas no mundo", explica a médica da Telex Soluções Auditivas.

Ela orienta que, se depois do estampido dos fogos houver zumbido ou sensação de ouvido tampado, é preciso procurar logo um otorrinolaringologista para avaliar a extensão e gravidade do dano auditivo. "Nesta época de festas juninas há muitos casos de perda de audição unilateral, em apenas um dos ouvidos", reforçou Vidal. Assim como no caso anterior, o médico especialista deve ser procurado imediatamente.

Cuidado com os pequenos

O barulho dos fogos pode atingir mais de 120 decibéis, sendo que o limite seguro de exposição aos sons é de 85 decibéis. As crianças, por serem mais frágeis, devem ser mantidas longe dos ruídos.

"A imaturidade auditiva dos primeiros 18 meses de idade pode fazer com que haja lesão na cóclea – órgão localizado na orelha interna – se a criança for exposta a sons muito altos ou passar muito tempo em ambiente barulhento. Essa lesão pode passar despercebida no momento da festa. No entanto, pode dar início a um processo de perda de audição, uma vez que as células auditivas, quando morrem, não são repostas pelo organismo", explica Vidal, que é especialista em audiologia.

"Irritação e choro são os principais sintomas de que o bebê não está confortável. Deve-se então procurar locais mais tranquilos e manter a voz sempre em baixo volume, para que o bebê fique calmo, estimulando assim a plasticidade do nervo auditivo, que é importante nos primeiros meses de vida", ensina a fonoaudióloga.

Confira abaixo as recomendações da especialista:

  • Distância da fonte do som. Quanto mais distante você estiver da explosão dos fogos de artifícios, mais estará protegido. Se um adulto está vendo uma explosão sucessiva de fogos, cujo ruído atinge 170 decibéis, por exemplo, precisa ficar a uma distância de 20 metros, enquanto que para as crianças, a distância segura é de 50 a 60 metros;
  • Uso de protetores auriculares durante a explosão dos fogos. Se estiver acompanhando um show pirotécnico, é indispensável colocar protetores nos ouvidos;
  • O ideal é não levar bebês e crianças a locais de queima de fogos e festas barulhentas; porém, se for inevitável, ficar o mais afastado possível do ruído.