O início do período seco em Minas Gerais também marca o aumento de incêndios florestais no Estado. O problema motivou a primeira reunião, nesta quinta-feira (18), das instituições que integram a Força-Tarefa Previncêndio (FTP), em Belo Horizonte, sobre a abertura dos trabalhos de prevenção em 2015.
 
A força-tarefa é coordenada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e tem por finalidade coordenar as ações de prevenção e combate aos incêndios florestais nas áreas protegidas e sob responsabilidade do Estado, e também nas de grande relevância ecológica. A FTP inclui, ainda, a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros Militar, o Instituto Chico Mendes, a Polícia Civil, a Coordenadoria de Defesa Civil, as prefeituras de Curvelo, Januária e Viçosa, além de diversas parcerias firmadas com organizações que prestam apoio logístico.
 
Segundo o subsecretário de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada da Semad, Marcelo da Fonseca, o alinhamento entre as instituições tem sido fundamental para a eficácia do trabalho. “A sintonia que buscamos entre as organizações participantes evita perda de tempo, de recursos e é determinante para o sucesso no combate aos incêndios florestais”, afirma.
 
Já o diretor de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais e Eventos Críticos da Semad, Rodrigo Bueno Belo, observa que a previsão de chuvas para os meses de junho, julho e agosto de 2015 é um pouco acima da média, o que pode auxiliar o trabalho. “A expectativa é que as chuvas sejam melhores distribuídas pelo Estado, como vem se observando desde o início do ano”, explica.
 
Estrutura
 
A Força-Tarefa Previncêndio tem atuação em todo o estado, principalmente nas unidades de conservação estaduais administradas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF). O trabalho é executado a partir dessas unidades e das quatro bases operacionais localizadas nos municípios de Curvelo, Januária, Diamantina e Viçosa.
 
Em 2015, além das equipes das unidades de conservação, Minas Gerais conta com 408 brigadistas contratados, que atuam nos meses mais secos do ano e estão mobilizados 24 horas por dia. Para apoio ao trabalho, estão disponíveis dois helicópteros, três aviões de monitoramento e transporte de pessoas, além de dez aviões de lançamento de água. As aeronaves das polícias Civil e Militar e do Corpo de Bombeiros também podem ser acionadas a qualquer momento.
 
Minas Gerais possui 91 unidades de conservação de diferentes categorias de proteção integral e de uso sustentável. Juntas, elas garantem a proteção de cerca de 640 mil hectares de áreas nos biomas cerrado, mata atlântica e caatinga.