Uma grande operação envolvendo diversos órgãos desarticulou uma quadrilha envolvida em um esquema milionário de sonegação de impostos envolvendo uma empresa de Contagem, na região Metropolitana de Contagem. A força-tarefa cumpriu 11 mandados de busca e apreensão e três de prisão preventiva em Contagem, Juiz de Fora, na Zona da Mata, Pará de Minas, na região Central, além de Pirapetinga e Caieiras em São Paulo.

Segundo as investigações, três irmãos, supostamente sócios da empresa, seriam os responsáveis pela prática de fraudes tributárias que já teriam causado um dano ao erário de aproximadamente R$ 100 milhões. Os investigados se valiam das chamadas “empresas de fachada”, criadas na Bahia e no Rio de Janeiro, que viabilizavam as saídas de mercadorias desacobertadas de documento fiscal e o aproveitamento indevido de créditos inidôneos, reduzindo o imposto devido.

De acordo com os integrantes da força-tarefa, o esquema fraudulento revelado, além de beneficiar a própria empresa, teria sido aproveitado por pelo menos outras três grandes indústrias do ramo de papel e plástico, localizadas nas cidades de Juiz de Fora, Pirapetinga e Caieiras, recaindo ainda suspeitas sobre a participação de outras duas grandes multinacionais atuantes no setor.

A ação é resultado de uma força-tarefa formada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet) de Contagem, Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), Advocacia Geral do Estado (AGE) e Polícia Civil.