De um lado, andaimes, vergalhões e operários a todo vapor nas obras do viaduto Santa Tereza, na região Leste de Belo Horizonte. Do outro, a imponente construção nos dias atuais, já com os famosos arcos de concreto e postes que imitam lampiões. O encontro das imagens de 1928 e 2016 de um dos pontos mais icônicos da capital, vistos sob o mesmo ângulo, é a premissa de um projeto do fotógrafo mineiro Rommel Bicas.

Há cerca de um mês, o administrador de empresas, que também se aventura por detrás das lentes, publica nas redes sociais fotos antigas e uma reprodução recente de cartões-postais, prédios, museus, ruas e avenidas de BH. O trabalho faz sucesso na web com mais de 50 mil visualizações de internautas.

A proposta, conta Rommel, surgiu há seis meses. “Vi uma fotografia antiga e lembrei como aquele lugar mudou. Acredito que muitos também têm essa curiosidade sobre a transformação do espaço público”.

Várias peculiaridades da época são vistas nas publicações, como na rua da Bahia de 1931, onde todos os homens estão de terno e alguns de chapéu – cenário difícil nos dias de hoje. Eles estão próximos ao extinto Grande Hotel de Belo Horizonte, que na década de 1960 cedeu lugar para o edifício Maletta.

Ensaio fotográfico completo e até pequenos vídeos com montagens do antes e do depois dos espaços públicos de BH podem ser conferidos no Facebook e no Instagram; basta procurar por “Como se fosse hoje”