A Polícia Civil (PC) apresentou na tarde desta segunda-feira (4) o homem suspeito de estuprar mãe e filha no mês passado no bairro Ipiranga, na região Norte de Belo Horizonte. Deividson Rodrigues Magalhães, de 28 anos, foi preso no último sábado (2). Ele estava em um hotel no centro da capital. Ao ser abordado, o rapaz confessou o crime.

Segundo a PC, o estuprador tinha várias outras passagens pela polícia por crimes contra o patrimônio público. Um fonte ligada à corporação informou que Deividson usava o dinheiro dos roubos para curtir baladas em BH e na região metropolitana.

A delegada responsável pelo caso, Elizabeth de Freitas, disse que as duas vítimas já estiveram na Delegacia de Mulheres e reconheceram o homem. "Ele é frio e dissimulado", disse a policial.

Chorando bastante, Deividson Magalhães não quis falar sobre os crimes cometidos. Ele disse apenas uma frase em sua defesa. "Quem me conhece sabe que não sou isso que estão falando". O mandado de prisão temporária do criminoso, que vale por cinco dias, termina na quinta-feira, mas deve ser prorrogado, conforme antecipou a delegada.

Deividson estava com alguns hematomas pelo corpo, sinais de possíveis agressões feitas pelos próprios companheiros de cela do Ceresp Gameleira, onde está detido.

O crime

Os estupros ocorreram no dia 14 de setembro. As duas mulheres, mãe e filha, de 51 e 28 anos, respectivamente, entravam no saguão do prédio onde moram, no bairro Ipiranga, quando foram surpreendidas pelo homem que estava com um revólver niquelado na mão direita. Ele fez ameaças de morte caso as duas não seguissem para o apartamento delas.

No local, o homem reforçou suas ameaças e exigiu que elas se sujeitassem às suas exigências sexuais. O suspeito chegou ao extremo de determinar que uma delas ficasse dentro do quarto, enquanto a outra era abusada. Depois de estuprar as duas, por cerca de duas horas, o suspeito exigiu que objetos de valor fossem colocados dentro de uma caixa de papelão.

Em seguida, Deividson mandou que as mulheres carregassem a caixa até o corredor do prédio. No entanto, as vítimas conseguiram trancar o suspeito do lado de fora do apartamento, já que ele estava na frente delas. Elas acionaram a polícia, que iniciou rastreamento na região, mas o homem não foi localizado. Mãe e filha foram levadas para um hospital e submetidas a exames.