Oito pessoas, todos funcionários da Vale investigados no caso do rompimento da barragem em Brumadinho, estão detidos no Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente (DEMA). Foram nove mandados de busca e oito de prisão em Minas Gerais. Outros mandados foram cumpridos em São Paulo e Rio de Janeiro.

Conforme o delegado Bruno Tasca, sete foram presos em Belo Horizonte e um em Itabira, na região Central do Estado. “Nas casas deles foram apreendidos documentos relacionados à barragem, computadores, celulares e outros dispositivos”, explicou. 

Confinados em uma sala que é o refeitório do departamento, todos estão juntos, porém sem comunicação, sendo escoltados por policiais. A expectativa é de que eles sejam ouvidos ainda nesta sexta-feira (15), antes de serem encaminhados ao sistema prisional. Todos os investigados, conforme o delegado, têm mandado de prisão temporária por 30 dias.

Na unidade estão formalizando as prisões. Eles devem ser ouvidos no Ministério Público na parte da tarde.  Conforme o chefe do DEMA eles poderão responder por crimes ambientais e até de homicídio, “devido às mortes que ocorreram”. “É uma investigação bastante complexa. Muitas pessoas para serem ouvidas, análise documental, que demanda tempo. Então com certeza haverá desdobramentos”, disse.

Em nota, a Vale informou que está colaborando com as autoridades. "A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas".

Leia mais:
Oito funcionários da Vale são presos em Minas por tragédia em Brumadinho
Ato na Candelária homenageia vítimas de Brumadinho e do Flamengo
CPI vai apurar risco de desabastecimento de água em BH após tragédia em Brumadinho