O gerente executivo de geotecnia operacional da Vale e o gerente executivo de geotecnia corporativa da mineradora prestaram depoimento na tarde desta quarta-feira (20), no Ministério Público de Minas Gerais (MP).

Segundo o MPMG, seis pessoas já tinham prestado depoimento para força-tarefa composta por promotores de núcleo criminal e delegados da Polícia Civil. Dessa forma, os 8 presos no dia 15 de fevereiro já foram ouvidos.

Conforme apurações, o gerente operacional era responsável por informações sobre a estabilidade de barragens a partir do controle de revisões periódicas e auditorias. A função dele era determinar o fluxo de informações entre auditorias externas e geotecnia operacional da Vale.

Já o gerente de geotecnia corporativa coordenava a equipe responsável pela manutenção da barragem 1 de Brumadinho. A função dele era adotar providências caso houvesse qualquer anormalidade na estruturas.

Em 25 de janeiro, a barragem Mina Córrego do Feijão se rompeu e a lama arrastou dois prédios da mineradora, casas e uma pousada de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O Rio Paraopeba, um dos afluentes do rio São Francisco também foi contaminado pelos rejeitos.

Segundo boletim da Defesa Civil, 171 mortes já foram confirmadas e mais de 100 pessoas continuam desaparecidas.