Grávidas que tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid-19 deverão aguardar o fim do puérperio para receberam a segunda aplicação da Oxford/AstraZeneca. A orientação foi divulgada nesta quarta-feira (19) pelo Ministério da Saúde. A mesma recomendação serve para quem deu à luz recentemente.

A informação foi divulgada após a pasta alterar as diretrizes para a vacinação de gestantes e puérperas diante de dois casos de mulheres desses grupos que morreram após receber o imunizante.

De acordo com o ministério, até 10 de maio, 5 mil gestantes foram imunizadas com a vacina.

Conforme o comunicado de orientação do Ministério da Saúde, as gestantes que receberam uma dose da Oxford/AstraZeneca e que apresentarem sintomas entre quatro e 28 dias após a aplicação deverão procurar um médico.

Entre os sinais que devem ensejar a busca por assistência estão falta de ar; dor no peito; inchaço na perna; dor abdominal persistente; sintomas neurológicos, como dor de cabeça persistente e de forte intensidade, borrada, dificuldade na fala ou sonolência; ou pequenas manchas avermelhadas na pele além do local em que foi aplicada a vacina.

Desde a mudança de posição do ministério, a imunização de gestantes e puérperas passou a ser recomendada apenas para as mulheres que fazem parte desses grupos e que apresentem comorbidades, podendo receber outros tipos de vacinas, como a CoronaVac e a Pfizer.

Leia Mais:
Minas recebe nova remessa com 508 mil doses de Astrazeneca, CoronaVac e Pfizer a partir desta terça
Mais de 65 mil moradores de Botucatu foram vacinados contra a Covid-19
Prefeitura amplia postos de vacinação de idosos contra a gripe em unidades da Droga Clara