Quem entrar na página do Google nesta quinta-feira (14) vai se deparar com a escritora mineira Maria Carolina de Jesus, autora do livro "Quarto de Despejo: Diário de uma favelada", de 1960. A homenagem do Doodle - uma espécie de versão temática da página do Google em razão de um evento importante ou data histórica - marca a data em que a escritora faria 105 anos. 

Homenagem

A autora foi uma das primeiras escritoras negras do país e teve a sua obra traduzida em 14 línguas e publicada em mais de 40 países. O livro que a tornou conhecida é uma autobiografia literária de sua vivência na favela do Canindé, em São Paulo, onde vivia com três filhos e era catadora de papéis.

A obra foi publicada com a ajuda do jornalista Audálio Dantas. Apesar de ter vivido a maior parte de sua vida na favela paulista, Carolina nasceu na cidade de Sacramento, na região do Alto Paranaíba em Minas, em 14 de março de 1914. Aos 23 anos, após a morte da mãe, ela migrou para São Paulo. 

Como ela mesma descreve em sua obra, a escrita se tornou essencial na vida da autora, mas não mais do que sobreviver à fome. Carolina dividia seus dias entre conseguir dinheiro e alimento para sustentar a si mesma e aos filhos, e documentar o seu cotidiano nos cadernos e papeis que encontrava no lixo.  

O estilo de escrita de Carolina, simples e ao mesmo tempo profundo devido à dureza de sua realizade, a consagrou como uma das grandes autoras brasileiras. Veja o trecho de abertura da obra:

"15 de julho de 1955  - Aniversário da minha filha Vera Eunice. Eu pretendia comprar um par de sapatos pra ela. Mas o custo dos gêneros alimentícios nos impede a realização dos nossos desejos. Atualmente, somos escravos do custo de vida. Eu achei um par de sapatos no lixo, lavei e remendei pra ela calçar". 

Leia mais:
Ocupação Carolina de Jesus tem novo endereço no Centro de BH
Acervo da escritora Carolina Maria de Jesus será disponibilizado