O Google premia, nesta terça-feira (23), os 26 vencedores da edição 2018 do Lara - Latin America Research Awards (Premiação de Pesquisa para América Latina). São 17 brasileiros contemplados, sendo quatro deles de estudantes do mestrado e doutorado da UFMG. 

As pesquisas em ciência da computação terão incentivo monetário, de valor diferente a depender do estudo, ao longo do próximo ano. As propostas aliam o conhecimento de máquinas a áreas como saúde, educação, informação e comunicação, entre outras. 

Nesta, que é a sexta edição do prêmio, foram 300 inscritos. Além dos 17 brasileiros, são cinco premiados da Colômbia, dois da Argentina, um do México e um do Peru. 

O Lara é uma iniciativa do diretor de engenharia do Google no Brasil Berthier Ribeiro Neto. “Esses projetos que envolvem machine learning são importantes porque permitem soluções em prazos muito mais curtos”, afirmou durante o evento que aconteceu no escritório da empresa em Belo Horizonte.

Mulheres

Entre os 26 vencedores, apenas cinco têm mulheres como participantes, como orientadoras ou pesquisadoras. O representante do Google atentou para a necessidade e dificuldade de representatividade nesse sentido. 

“É um tema que frequentemente debatemos aqui: como aumentar a diversidade? O que vemos é que o número de estudantes mulheres em computação e engenharia ainda é muito baixo”, afirmou Berthier.