Interessados em formar grupos de economia solidária e obter qualificação nesse setor em Belo Horizonte podem procurar o programa da prefeitura, que está com entrada aberta. Para vivenciar o conceito de perto, 20 grupos participarão, nesta quinta (8) e sexta-feiras (9), da Mostra de Economia Popular Solidária, no Centro da capital. 

Ao todo, a cidade tem 260 grupos formados, o que beneficia cerca de 780 famílias. De acordo com a administração municipal, a economia solidária atrai empreendedores e abarca práticas econômicas e sociais diversas, como confecção, artesanato e alimentação; bijuterias e acessórios; peças de decoração e cosméticos.

Os grupos, segundo a prefeitura, são organizados sob a forma de cooperativas, associações, clubes de troca, empresas autogestionárias, redes de cooperação, entre outras. Eles realizam atividades de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário.

A produção desses grupos é vendida em mostras, feiras e eventos promovidos pela prefeitura ou em parceria com outras instituições, como o Tribunal de Justiça de Minas Gerais. 

Um exemplo de ponto de venda é a Mostra de Economia Popular Solidária, que ocorrerá na avenida Augusto de Lima, 30, 1º andar, no Centro. Além de formarem grupos e se fortalecerem, os interessados também passam por uma qualificação em economia solidária oferecida pelo Centro Público de Economia Solidária (Cepes) da prefeitura.

Para saber como integrar o Programa de Economia Solidária da Prefeitura de Belo Horizonte, o interessado pode ligar nos telefones 3277-9830 ou 3246-0379 ou ir pessoalmente à avenida dos Andradas, 367, 2º andar.