Agentes motorizados, drones e outras tecnologias estarão integradas à Patrulha Ambiental, equipe criada pela Guarda Municipal de Belo Horizonte (GMBH) e anunciada ontem em solenidade que celebrou os 15 anos da corporação. O objetivo é ampliar a atuação preventiva e combativa do órgão nos parques da cidade.

A partir desta quinta-feira, os guardas estarão presentes não só nas escolas e nos postos de saúde (Patrulha SUS), melhorarão a atividade nos parques da cidade. “Nossa prioridade é oferecer segurança às pessoas. Acreditamos que, em boa parte, a redução na criminalidade na nossa cidade se deve, também, à atuação da guarda”, destacou o vice-prefeito Paulo Lamac, que representou o prefeito Alexandre Kalil.

Na oportunidade, Lamac rechaçou o estremecimento de relação após descumprimento de um acordo feito entre o prefeito e ele para apoios ao Legislativo mineiro. O vice foi demitido ontem do cargo de secretário de governo.

guarda

O vice-prefeito Paulo Lamac e o chefe da Guarda Municipal, Comte. Prates

Drones e bikes elétricas 

Na prática, a Patrulha Ambiental representa um reforço da atuação já existente nos parques municipais. “Trata-se de um treinamento para um grupo especializado, que estará apto, por exemplo, à manutenção da própria vegetação até um patrulhamento preventivo a um crime ambiental, que pode vir a prejudicar a saúde das pessoas, através de contaminações”, explicou o chefe da Guarda Municipal, Comandante Prates.

Para tal, os agentes passarão a ter triciclos motorizados, drones e bicicletas elétricas. “Isso vai melhorar a condição de trabalho dos profissionais que já têm vinculação com parques”, posicionou Prates. Ele ressaltou que a ampliação da função não significará remanejamento de profissionais ou retirada de agentes de outros pontos. 

Concurso público 

A guarda também divulgou a autorização para novo concurso, que está em fase de licitação para contratação de empresa que desenvolverá as provas. A expectativa é que o edital seja aberto até dezembro. 

guarda

O chefe da Guarda Municipal, Comandante Prates

De acordo com Prates, as novas vagas vêm de uma demanda sentida na cidade por mais segurança pública e um desejo pessoal do prefeito. “É um movimento que veio, essencialmente, coordenado e motivado por ele, mas que encontrou no campo da estratégia, uma necessidade de fato”, afirmou.

Prates ainda explicou que o novo grupo não necessariamente representará a criação de novas funções. “Nós teremos uma capacidade um pouco melhor de reforçar e complementar algumas atividades. De forma integrada com as outras forças, a gente vai tentar equacionar esse efetivo, trazendo dele o máximo de produtividade”, disse.

Leia mais:
PBH anuncia pacote de obras com 145 projetos de centros de saúde, UPAs e hospitais