O suspeito de participar de um assalto que terminou com a morte de um homem de 32 anos na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte, foi preso e apresentado pela Polícia Civil, nesta sexta-feira (13). "Guimê da Serra" e alguns comparsas, segundo apontou a investigação, teriam aplicado o golpe do "Boa noite, Cinderela" para dopar a vítima e cometer o crime.

Mesmo drogado por causa do golpe, o rapaz teria reagido ao assalto. Contudo, ele caiu, bateu com a cabeça no chão e também sofreu esganadura. Ele chegou a ser socorrido e encaminhado para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, mas não resistiu aos ferimentos. O caso aconteceu o dia 5 de fevereiro deste ano.

No assalto, os suspeitos levaram o celular e a carteira da vítima. Momentos após o crime, os bandidos foram até uma drogaria onde realizaram compras com os cartões bancários do rapaz. A cena foi registrada pelo circuito interno de segurança do estabelecimento e analisada pelos investigadores.

A polícia divulgou as imagens para que a população ajude a encontrar os suspeitos. "É importante contar com o apoio da população em denunciar e nos ajudar a localizar os suspeitos que estão foragidos e, assim, individualizar a conduta de cada um deles na cena do crime", explicou o delegado Wagner Sales.

Assista ao vídeo:

Depois da compra, ainda conforme a polícia, os bandidos fizeram transações bancárias com o cartão do rapaz. "Duas transações foram realizadas em máquinas de cartão de crédito de dois taxistas, no valor de R$ 1 mil cada, sendo que cada taxista ficou com 30% desse valor. A conduta dos taxistas ainda está sendo apurada nas investigações", contou o investigador.

Além de "Guimê da Serra", que tem 23 anos, a Justiça mineira também expediu mandados de prisão contra uma mulher, de 34 anos, e um jovem, de 22. Os dois estão foragidos.

Golpe

O rapaz vítima dos criminosos foi atraído por duas mulheres, que o convidaram para ir até um bar. Lá, elas teriam colocado uma substância na bebida do homem. "Elas chamaram o suspeito, 'Guimê da Serra', para ajudá-las e dar suporte à consumação do crime. Eles levaram vítima para ao lado do museu próximo à Praça da Estação onde, provavelmente, houve uma resistência por parte da vítima em fornecer seus bens ou a senha bancária, sendo ela agredida", contou o delegado.

Um dos suspeitos foragido, conforme a polícia, teria utilizado o celular da vítima horas após o crime e vendido o aparelho em um shopping popular de Santa Luzia.