Hemominas coleta sangue do primeiro voluntário em doação de plasma para tratamento da Covid-19

Rosiane Cunha
rmcunha@hojeemdia.com.br
05/06/2020 às 19:13.
Atualizado em 27/10/2021 às 03:42
 (Fundação Hemominas/Divulgação)

(Fundação Hemominas/Divulgação)

A primeira coleta de plasma para o estudo desenvolvido por pesquisadores da Fundação Hemominas, com o objetivo de ajudar na recuperação de pacientes internados por Covid-19, foi realizada nesta sexta-feira (5). O voluntário é um homem de 32 anos e a previsão é que, na próxima semana, o sangue dele já esteja disponível para ser usado em pacientes internados.

Esse tipo de tratamento médico já foi utilizado em outros surtos de doença infecciosas, como o Ebola e o H1N1. O estudo que vai ser feito pela fundação pode mostrar se a técnica também tem efeito positivo nos pacientes que estão internados nos hospitais por causa da Covid-19. E para a pesquisa ser feita, os médicos precisam da doação de sangue de, pelos menos, 30 voluntários.Fundação Hemominas/Divulgação Hemominas recebe primeiro voluntário de doação de plasma para tratamento da covid-19

A presidente da Hemominas, a médica hematologista Júnia Cioffi, aposta na solidariedade dos mineiros. “Para obter o plasma necessário para o estudo é preciso que aqueles que já se curaram da infecção e foram liberados do isolamento obrigatório estejam dispostos a participar do processo e ceder o sangue”.

Para participar, o doador precisa ser do sexo masculino; ter entre 18 e 60 anos; ter um resultado de PCR positivo para SARS-Cov-2 (novo coronavírus); não apresentar sintomas da Covid-19 há, pelo menos, 14 dias; já ter sido liberado do isolamento obrigatório pelo médico; e estar apto, http://www.hemominas.mg.gov.br/doacao-e-atendimento-ambulatorial/doacao-de-sangue/condicoes-e-restricoes

Os voluntários que se enquadrarem nos quesitos devem agendar a doação de plasma no Serviço de Aférese do Hemocentro de Belo Horizonte pelo telefone (31) 3768-4524, nos seguintes dias e horários: segunda a quinta-feira, das 7h às 18h; e sexta-feira, das 7h às 12h.

O estudo “Imunoterapia passiva como alternativa terapêutica de tratamento de pacientes com a forma grave de Covid-19” foi autorizado pelo Conselho Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

O projeto é coordenado pelo médico hematologista da Fundação Hemominas Marcelo Froes e realizado em parceria com a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), por meio do Hospital Eduardo de Menezes e a Universidade Federal de Minas Gerais.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por