O Instituto Estadual de Hematologia do Rio de Janeiro  (Hemorio) iniciou esta semana os testes com plasma sanguíneo em pacientes em estado grave com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Duas mulheres e um homem internados no Instituto Estadual do Cérebro receberam o plasma de um doador já curado da doença. Essa parte do sangue contém os anticorpos contra o novo coronavírus.

Segundo o diretor do Hemorio, Luiz Amorim, é preciso esperar em torno de 10 dias para saber se o paciente realmente melhorou após esse procedimento. 

“A gente espera que esses anticorpos de pacientes curados possam neutralizar o vírus que está causando a complicação no paciente em estado grave.”

Nesta primeira fase dos estudos com plasma sanguíneo, o Hemorio vai aplicar esse procedimento em 100 pacientes com Covid-19 em estado grave. Cada plasma coletado pode fornecer tratamento para até três pessoas. O plasma doado pelos pacientes curados ficará na unidade e será distribuído a hospitais que tratam casos graves de Covid-19.

Segundo Amorim, o Hemorio já tem 300 pessoas cadastradas para começar o processo de doação do plasma. O doador tem que ter entre 18 e 60 anos, comprovar que tenha tido Covid-19 e estar curado há pelo menos 14 dias.

Esse tipo de terapia é a mesma utilizada em epidemias como a de ebola e a de H1N1. Um estudo semelhante foi feito pelo Hemorio para tratar a dengue e bons resultados foram obtidos em laboratório. A ideia é criar mais uma alternativa para o combate ao novo coronavírus.