Um homem, de 31 anos, foi preso nesta semana pela Polícia Civil por suspeita de abuso sexual contra a filha, de 15. O suspeito teria sequestrado a adolescente em 2019 e obrigado a vítima a agir como se fosse esposa dele.

De acordo com a corporação, o caso teve início após a Polícia Militar ter sido acionada, no último fim de semana, para apurar uma denúncia de maus-tratos da menina contra o enteado, de 4 anos, no bairro Nova Gameleira, na região Oeste da capital. O chamado foi feito por vizinhos da família.

À PM, a suspeita relatou que o menino havia caído da cama. O boletim foi registrado como lesão corporal. A adolescente foi ouvida e, por não estar em flagrante, liberada. O caso foi encaminhado para investigação pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca).

Durante apuração, os policiais do Depca avaliaram que as lesões verificadas na criança, que estavam embaixo dos olhos e nas bochechas, indicavam a impossibilidade de ferimento por queda. Os agentes também descobriram que havia uma ordem judicial expedida contra o pai do menino, em 2019, referente ao crime de estupro de vulnerável, cometido em São Joaquim de Bicas, na Grande BH, contra a própria filha.

"Por meio dessa ocorrência, foi possível identificar que a adolescente vítima dos estupros era a filha do homem, no caso, a suposta madrasta e autora das agressões da criança de 4 anos", informou a PC, em nota.

De acordo com a delegada responsável pela investigação, Iara França Camargos, "após a denúncia de estupro, o pai tirou a adolescente de casa e a obrigou a morar com ele, como se fosse sua namorada, e ainda a engravidou. O bebê, de poucos meses, também vive na casa onde o menor de 4 anos foi agredido", explicou a delegada. Iara ainda esclarece que a mãe da garota registrou o sequestro da jovem em 2019, motivo pelo qual o homem também foi indiciado pelo crime.

A Polícia Civil ainda explicou que a criança agredida é filha do suspeito com outra mulher, que ainda não localizada. Dessa forma, o menino foi abrigado pelo Conselho Tutelar de BH. Já a adolescente e o filho dela, que tem menos de 1 ano, estão sob a responsabilidade de familiares.

As investigações sobre o caso prosseguem com depoimentos dos envolvidos, previstos para ocorrerem nos próximos dias. Além dos outros crimes, o suspeito poderá responder também por omissão de socorro.

Leia mais:
CPI da Covid-19 pode ter sua primeira reunião na próxima semana
Ao vivo: Saúde atualiza informações sobre medicamentos para intubação
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real