Um homem foi preso em flagrante acusado de estelionato, nesta terça-feira (14), na região da Pampulha, em Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Civil (PC), Marcos Paulo Rezende Catizane, de 25 anos, usava cheques falsos para comprar produtos alimentícios na capital, que eram revendidos a pequenos comerciantes. A polícia chegou ao suspeito após receber a denúncia de uma representante comercial. Segundo a PC, a mulher teve prejuízo de R$ 8 mil. Um suposto comparsa de Catizane ainda é procurado pela polícia.
 
Conforme a delegada Wanessa Santana, da 2ª Delegacia Especializada de Falsificação, Sonegação Fiscal e Administração Pública, Catizane usava o nome de uma pizzaria e a conta de uma pessoa física para aplicar os golpes. Ele se apresentava como Cristiano e teria um comparsa que se identificava como Teodoro. O comparsa seria o responsável por negociar com as vítimas pelo telefone e Catizane buscava e pagava pelas mercadoria. 
 
“Antes de efetivar o negócio, a representante comercial consultou se o homem não tinha o 'nome sujo' na praça. COmo estava tudo em dia, ela deu continuidade à negociação. A suspeita só veio na segunda vez que ele fechou a segunda compra porque a numeração dos cheques eram muito diferentes e não pareciam ser do mesmo talão. Ela também desconfiou do homem porque os cheques tinham assinaturas diferentes”, disse a delegada. 
 
Wanessa contou que, desconfiada, a vítima foi ao banco com o objetivo de averiguar a procedência dos cheques. A gerente do banco teria afirmado que a conta descrita nos cheques realmente existia. “Mas a suspeita se confirmou quando a gerente informou que aqueles cheques não tinham sido emitidos pelo banco”.
 
De acordo com Wanessa, duas compras haviam sido concretizadas neste mês de outubro. Nesta terça-feira, o homem tentou fazer uma terceira compra. Porém, a vítima, que já tinha registrado um Boletim de Ocorrência, chamou a polícia e marcou um encontro com Catizane. “Ele confessou que os cheques eram falsificados, mas negou ter aplicado o golpe em outras pessoas. Ele também disse os cheques eram entregues a ele por outro homem, um comparsa”, afirmou a delegada.
 
Wanessa informou ainda que o homem já tinha passagem pela polícia por furto. Catizane foi levado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp), da unidade Gameleira, na região Oste de Belo Horizonte, e responderá pelo crime de estelionato.
 
A delegada afirmou também que as investigações continuam, pois ainda não foi identificado o suposto comparsa de Catizane e nem os comerciantes para os quais os produtos eram revendidos e se outras pessoas também caíram no mesmo golpe.