A morte de um morador de rua, que foi espancando e estuprado em Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi esclarecida pela Polícia Civil. De acordo com os investigadores, um homem, de 43 anos, confessou o crime bárbaro.

A vítima tinha 62 anos e, no dia da tortura, estava em uma escola, no bairro Canal, onde costumava pernoitar. Antes de morrer, o idoso recebeu socos e chutes. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

O crime aconteceu no dia 7 de fevereiro e o morador de rua morreu na mesma data. Desde então, a Polícia Civil iniciou as investigações. Ao ser preso, no último dia 21, o suspeito - que também é morador de rua - admitiu que costumava abusar sexualmente do idoso no vestiário de um campo de futebol anexo à instituição de ensino, onde os dois dormiam.

Contudo, no dia do assassinato, os dois se desentenderam. "Motivado também por uma discussão em relação à divisão de bebidas entre os dois”, esclareceu o delegado Wellington Martins Faria, responsável pelo inquérito.

Justiça

O suspeito foi preso por meio de um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça. Conforme a polícia, ele já possuía diversas passagens pelos crimes de furto, desobediência e desacato. Ele também está sendo investigado por agredir a própria avó, uma idosa de 89 anos, cadeirante e amputada.

Homem confessa que espancou, estuprou e matou morador de rua em Ibirité

Delegados Rodrigo Bustamante e Wellington Martins Faria investigaram o caso