Após invadir uma casa, quebrar todos os vidros de uma janela e ferir uma adolescente de 16 anos e uma mulher de 58, na madrugada desta segunda-feira (11), no bairro Jardim Comerciários, na região de Venda Nova, em Belo Horizonte, um homem de 39 anos acabou detido e alegou ter cometido todos os atos após as vítimas darem bebidas alcoólicas para a filha dele, de 12 anos. O suspeito também falou que um conhecido das mulheres ainda teria estuprado a adolescente. 

A Polícia Militar (PM) foi acionada na casa, localizada na rua Geraldo Pedro dos Santos, por volta de 1h30. Assim que chegaram, a menor agredida pelo homem contou que o suspeito abriu o portão que dá acesso ao terreno e chegou em frente à casa dela com um comportamento muito exaltado, gritando e xingando. Ele procurava pela ex-companheira, dizendo inclusive que iria "estourar os miolos" dela. 

CONFUSÃO JARDIM COMERCIÁRIOS
Toda a situação aconteceu em uma casa localizada na rua Geraldo Pedro dos Santos, no Jardim Comerciários

Como elas não sabiam onde estava a mulher, o suspeito passou a chutar e quebrar todas as janelas da casa. A adolescente, que tentava acalmá-lo, disse que o suspeito então teria partido para cima dela, pedindo que ela ligasse para sua ex-mulher. Porém, como ela não conseguia contato, o homem foi para a parte de fora da casa, momento em que passou a lançar pedaços de cerâmica e de pau para dentro do imóvel, ferindo o pulso da menor e, também, a perna da mulher de 58 anos. 

Ainda de acordo com o relato da adolescente, segundo a PM, a filha do suspeito estaria indo na casa da ex-mulher há diversos dias. Quando a polícia chegou na casa, o homem já havia deixado o local, porém, testemunhas contaram que ele teria sido levado por uma viatura da corporação que passou pelo local. 

Outro lado

Foi então que, já detido, o homem contou que, há alguns dias atrás, a ex-mulher e as duas vítimas feridas por ele teriam dado bebida alcoólica para a filha dele. Ele também relatou que ficou sabendo, por testemunhas, que um conhecido delas teria estuprado a sua filha, sendo que a menina inclusive estaria internada em um hospital e que exames constataram a violência sexual. 

O suspeito disse ainda que tentou conversar com a filha para obter mais detalhes sobre o caso, mas que a adolescente disse não se lembrar de nada, nem da data do estupro e nem de quem seria o autor. O caso foi encerrado na Delegacia de Plantão (Deplan) 4 e será investigado pela Polícia Civil (PC). 

Leia mais:
Agressões e até tiros invadem rotina escolar em Minas
Donos de apartamento de onde menina caiu serão indiciados por lesão corporal grave
Adolescente atira contra colegas em escola pública no Vale do Jequitinhonha
Autor de ataque em escola disse que queria amedrontar meninas que não quiseram namorar com ele