Morreu o homem de 32 anos que caiu de um altura de aproximadamente 50 metros, na tarde desta terça-feira (4), enquanto praticava slackline, esporte de equilíbrio que consiste em andar por uma fita elástica amarrada em dois pontos fixos, na serra do Curral, no bairro Mangabeiras, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Thiago Guimarães Silva, conhecido como Pantufa, foi imobilizado pelos bombeiros, mas seu quadro era de parada cardiorrespiratória e, pouco tempo após o resgate, a morte foi confirmada. 

A informação inicial era de que ele teria despencado de uma tirolesa, entretanto, a atração do mirante da capital nem sequer estava funcionando. Equipes dos bombeiros se deslocaram para a avenida José Patrocínio Pontes após um chamado dando conta de que a vítima sofreu a queda em um local de difícil acesso e que, aparentemente, o estado seria grave. O autor da solicitação de socorro informou ainda que o homem estava consciente, com dores por todo o corpo, e com suspeita de fratura no membro inferior. 

Após a chegada ao local, os militares constataram que o homem estaria em um local de acesso proibido e que estava devidamente sinalizado sobre os riscos. Além de duas viaturas que foram para a região, o helicóptero Arcanjo da corporação também se deslocou para socorrer a vítima. 

Pela aeronave, dois militares foram içados e, em seguida, deixados no local onde a vítima se encontrava. Confira o momento em que os bombeiros são deixados no local: 

O capitão Thiago Miranda, que acompanhou o resgate, explicou que a vítima praticava o esporte com mais dois amigos quando um dos pontos de ancoragem da fita se rompeu, fazendo com que ela caísse imediatamente. Ele estava sobre a linha, que, de um lado para o outro, media cerca de dez metros.

"Dessa forma, nosso trabalho foi de levar os bombeiros com os equipamentos até o local, por meio de içamento, e preparar a vítima. Fizemos a extração e a levamos para atendimento médico", explicou o capitão.

Já em solo, a equipe constatou que o homem teve múltiplas fraturas no tórax, na região abdominal e hemorragia. A sequência de ferimentos fez com que o quadro evoluísse para uma parada cardiorrespiratória. "Durante as tentativas de reanimação, ele não resistiu", acrescentou o militar. 

Testemunhas ouviram gritos de socorro

Da avenida José Patrocínio Pontes, que dá visão para o local, era possível escutar os amigos do homem gritando por socorro. O primeiro a ouvir foi o porteiro Josiel Moreira, de 49, que fazia caminhada na via quando se assustou com os gritos.

"Nas primeiras vezes que passamos, observamos que ele andava na corda. Ficamos preocupados, mas continuamos a caminhada", diz Josiel. No entanto, quando retornava pela avenida, percebeu que a linha não estava mais no mesmo lugar e escutou os gritos.

"Gritaram muito por socorro e nós ficamos preocupados. Ainda mais que há muitas pedras no lugar, achamos que ele poderia sofrer graves ferimentos", acrescentou o homem. 

A Polícia Civil informou que a perícia compareceu ao local, mas ainda não é possível informar se serão abertas investigações para averiguar a morte do esportista.

Vídeo mostra momentos antes da queda

Um vídeo feito por Otávio Silva, que estava na região na hora do acidente, mostra a vítima praticando slackline entre duas pedras da serra. As imagens foram feitas instantes antes dele desabar. 

Assista: 

Acidente não foi em tirolesa do Mirante

Procurada pela reportagem do Hoje em Dia, a assessoria da Tirolesa de BH, que fica entre o Mirante e o Parque das Mangabeiras, informou que o acidente registrado nesta terça não foi no equipamento da empresa, que só funciona de quarta a domingo e em feriados.

Leia mais:
Vítima de slackline exibia sua paixão pelo esporte e chegou a postar vídeo pouco antes de morrer
'Corda bamba' entre edifícios do Centro de BH; assista ao vídeo
Aulas de slackline trabalham autoestima e transformam vida de alunos da Apae