O Hospital de Pronto-Socorro João XXIII, no Centro de Belo Horizonte, e o Hospital Risoleta Neves, na região de Venda Nova, recebem vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A tragédia ocorreu no início da tarde desta sexta-feira (25), na região da Mina do Córrego do Feijão, próximo a Mário Campos.

De acordo com a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), o protocolo de catástrofe da unidade foi aberto para receber os feridos. Segundo a Fhemig, as vítimas da tragédia terão prioridade no atendimento, devido à gravidade do ocorrido. 

A direitoria Hospital Risoleta Neves acionou o protocolo de catástrofes e está "de prontidão"  para receber as vítimas de Brumadinho. Todos os pacientes que já estavam internados e têm possibilidade de alta hospitalar, ou seja, casos de menor gravidade, serão reavaliados pelas equipes de assistência. 

Em nota, o centro de saúde informou que opera com todos os funcionários do quadro e convocou profissionais que não estavam em trabalho. "O hospital também conta com estoque de medicamentos e insumos revisados e prontos". A capacidade máxima é de 340 leitos, distribuídos entre pronto socorro, Centro de Terapia e Tratamento Intensivo (CTI), enfermarias clínicas, cirúrgicas e maternidade.

 

A Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte foi procurada, mas não informou se algum hospital da capital vai receber pacientes. 

Leia mais: 

Confira as imagens do rompimento da barragem em Brumadinho
Estado faz força-tarefa para apoio em Brumadinho
Barragem da Vale se rompe em Brumadinho, causa destruição e deixa feridos
Vale admite que lama de barragem atingiu vila: 'prioridade é proteger a vida'