Inaugurado em 22 de junho do ano passado para apoiar o combate à Covid-19, o Hospital de Campanha de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, terá as atividades encerradas nesta quarta-feira (30). O fechamento, segundo a prefeitura, ocorre por falta de recursos.

"Devido ao alto custo e repasses insuficientes dos governos estadual e federal para manter toda a estrutura e pessoal do Hospital de Campanha (haverá o fechamento). O repasse cobre menos de 40% dos custos mensais que o hospital exige", informou a administração municipal, em nota. A reportagem procurou os governos citados e aguarda retornos.

Ainda de acordo com a prefeitura, o centro médico possui 20 leitos de terapia intensiva (UTI), dos quais 13 estavam ocupados, até a manhã desta terça-feira (29), com pacientes internados. Além disso, há 29 leitos clínicos, que estavam preenchidos com outros 13 cidadãos. Todas as 26 pessoas foram transferidas, durante a tarde, para uma Unidade de Pronto-Atendimento (UPA).

Segundo o município, a UPA tem uma ala exclusiva para atendimento de casos de Covid-19, "com estrutura mais compacta". Apesar disso, a assistência a outras ocorrências segue "normalmente" nesse local, porém com salas de espera separadas. "Com a transferência dos atendimentos para a UPA, serão mantidos os 20 leitos de UTI, todavia, os leitos de enfermaria serão reduzidos para 20", informou a administração municipal, em nota.

Por isso, a Secretaria Municipal de Saúde solicita que, sempre que possível, os pacientes busquem primeiro o atendimento na Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua casa para que, então, em caso de necessidade, o médico encaminhe para o Hospital Regional.

Alto custo

A prefeitura também informou que procurou o apoio do Estado em diversas ocasiões, solicitando ajuda, mas não recebeu nenhum retorno. O Hospital de Campanha, segundo o Executivo municipal, tem um custo total mensal que gira em torno de R$ 2,5 milhões.

"Recebendo repasse de R$ 960 mil (valor variável), que gera um déficit de R$ 1.590.000,00. A mudança para a UPA irá reduzir este déficit mensal para cerca de R$ 610 mil, uma vez que grande parte da estrutura da própria UPA passará a ser usada, tais como recepcionistas, seguranças, central de gases medicinais, entre outros", completou, ainda em nota.

A prefeitura relembrou que é uma das únicas cidades da Região Metropolitana de BH que, até então, possuía um Hospital de Campanha totalmente equipado, incluindo leitos de UTI. "Porém, o que recebemos de repasse cobre menos de 40% dos custos mensais que temos. Fomos até onde conseguimos para dar o melhor atendimento para a nossa população", explicou o prefeito local, William Parreira (Avante).

Desde que foi inaugurado até o mês passado, a unidade de Ibirité realizou 1091 internações. “Importante ressaltar que, além de atender a população de Ibirité, o Hospital de Campanha da cidade também recebia pacientes de toda a região metropolitana, especialmente para os leitos de UTI, contribuindo de forma expressiva para diminuir a fila de pessoas a espera de um leito que demanda cuidados de alta complexidade”, finalizou.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) reforçou que a gestão do hospital é municipal, mas a pasta repassou ao município, de abril de 2020 até março de 2021, o valor total de R$ 6.727.272,00, "referente a incentivos financeiros do Estado, pela disponibilização de leitos para o atendimento dos casos da Covid-19 até março de 2021".

"Em abril, os leitos foram autorizados pelo Ministério da Saúde (Portaria 683/2021) e passaram a receber financiamento federal. Atualmente, segundo o painel de monitoramento, na macrorregião Centro, onde o município está inserido, estão cadastrados no SUS fácil 1.493 leitos de UTI e 6.438 leitos de enfermaria", informou.

A reportagem também procurou o Ministério da Saúde para obter posicionamento sobre o caso e aguarda retorno.

Leia mais:
Vacinação pode chegar a 43 anos nas próximas semanas caso BH receba mais 180 mil doses
Governo Central tem déficit primário negativo de R$ 20,9 bilhões nas contas de maio
Casa, carro e salário triplicado: ensino superior transforma vida de homem da Grande BH