"Absurdo. É inacreditável que isso tenha acontecido". Assim a recepcionista Poliana Vasconcelos classificou o episódio ocorrido em um posto de saúde de Santa Luzia, na Grande BH. A avó dela, Guiomar Barboza de Souza, de 78 anos, foi esquecida e trancada dentro da unidade de saúde localizada no bairro São Geraldo.

A senhora ficou por mais de 20 minutos trancada no posto e só conseguiu sair depois que populares viram a cena e acionaram a gerência do local. A Polícia Militar também acompanhou o caso. Em nota, a prefeitura da cidade lamentou o caso. 

De acordo com Poliana, a avó vai todos os dias até o posto para trocar o curativo de uma úlcera nas pernas. "Geralmente ela vai com um conhecido nosso, que leva e busca. Mas quando ele não pode, a gente chama um Uber para ela e, na volta, as funcionárias do posto pedem o Uber para ela voltar", explicou. 

A neta contou que a família não tem carro para levar a idosa até o centro de saúde, que fica a uns 15 minutos da residência dela, e nem sempre tem parentes com disponibilidade para acompanhá-la até a unidade", disse.

Na segunda-feira (16) à tarde, o homem não pôde levar a Guiomar e, por isso, a senhora foi de carro de aplicativo até o posto. "Aí quando deu 17h15 nós ficamos preocupados porque ela não apareceu. Ligamos no posto e ninguém atendeu", relembrou.

Quando foi até o local, a família descobriu o que tinha acontecido. Populares viram a senhora sozinha na parte da frente do posto de saúde e acionaram os funcionários do posto, que foram até o local e liberaram a idosa. "Até agora estou me perguntando como isso aconteceu", lamentou.

Cochilo

A Prefeitura de Santa Luzia confirmou a ocorrência e disse que a senhora faz tratamento diário no posto, mas que a família raramente a acompanha. "A idosa sempre vai ao posto e volta de Uber e, por várias vezes, a própria gerente da unidade fica na companhia até que o carro vá buscá-la", explicou o executivo.

Na segunda, de acordo com a nota, a idosa, que sempre fica sentada no banco da frente da unidade de saúde, foi para o fundo do posto, em um lugar não visível para quem passa. "Ela sentou em um banco que ali estava, onde veio a cochilar".

Ainda de acordo com a prefeitura, cerca de 20 minutos depois a senhora acordou e foi para a parte da frente da unidade, ficando visível para quem passava na rua. 

A família disse que Guiomar não ficou assustada e nem traumatizada. Ela continuará fazendo tratamento diário no mesmo posto de saúde.