Três homens foram presos pela Polícia Civil esta semana, em Belo Horizonte e região, por suspeita de abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes. A operação Eu Acredito Em Você teve como alvos um idoso de 80 anos, um policial militar reformado de 51 anos e um mecânico de 48. Outros cinco suspeitos são procurados.

Na terça-feira (3), o idoso de 80 anos foi preso no bairro Ouro Minas, região Noroeste da capital, por abusar da própria neta, por mais de três anos. Os abusos teriam se iniciado quando a menina tinha apenas 6 anos de idade. O idoso já foi condenado em segunda instância a 15 anos e 7 meses de prisão por estupro de vulnerável.

No mesmo dia, a polícia prendeu um mecânico em Contagem, por suspeita de aliciar meninas através das redes sociais. De acordo com as denúncias, o homem enviou imagens pornográficas a uma pessoa em que ele apareceria com meninas entre 7 e 9 anos.

Após enviar as imagens, ele pediu para que a vítima também mandasse fotos. Segundo a polícia, algumas das imagens pornográficas enviadas por ele envolviam animais. Diversos equipamentos eletrônicos do suspeito foram apreendidos e serão periciados.

Em depoimento, o homem disse que não era ele quem aparecia nas imagens e que nunca encontrou as vítimas pessoalmente. Mesmo assim, ele deve ser indiciado por estupro, de acordo com a polícia.

Entre as provas contra o investigado, está o registro da conversa dele com uma das vítimas. Parte do diálogo foi divulgado pela Polícia Civil. Confira:

conversa suspeito aliciar meninas

O terceiro suspeito foi preso nesta quinta-feira (5). O policial militar reformado é investigado por suspeita de abusar sexualmente da própria filha, de 16 anos. A adolescente denunciou o pai e contou que os abusos aconteciam desde 2017, quando ela veio residir com ele em Belo Horizonte.

Segundo relato da vítima feito para a polícia, o pai prometia presentes em troca de fotos sensuais e toques libidinosos.

A corregedoria da Polícia Militar de Minas Gerais acompanhou a prisão preventiva representada pela Polícia Civil e encaminhou o investigado a uma unidade da corporação.