A tradicional iluminação de Natal da Praça da Liberdade deverá ser realizada de maneira diferente neste ano. A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult), que agora administra o Circuito Liberdade, negocia com a Prefeitura de Belo Horizonte a possibilidade de fazer a iluminação de maneira descentralizada, com luzes espalhadas por uma rota de ruas e avenidas da região Central, para que o público não fique aglomerado na praça mais famosa da cidade. 

De acordo com o secretário Leônidas Oliveira, o projeto está pronto e foi encaminhado para a administração municipal para aprovação. A Cemig e a Câmara dos Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL) devem ser parceiros novamente no projeto, mas ainda não divulgaram quais serão os investimentos a serem feitos. 

“Temos noção de que a praça atrai muitas pessoas no Natal, então pensamos que o ideal é fazer a iluminação não concentrada na Praça da Liberdade, de forma expandida, para não ter aglomeração. Como o Circuito Liberdade se ampliou, pensamos em uma rota turística de iluminação”, afirmou o secretário de Cultura e Turismo.

O roteiro do Circuito Liberdade conta com equipamentos culturais localizados na praça e em seu entorno, e agora deve integrar outros localizados em endereços mais distantes, como o Palácio das Artes e a Sala Minas Gerais. Uma rota de luzes poderia divulgar os diferentes equipamentos culturais da cidade de maneira mais segura em um contexto de crescimento de casos de Covid. 

Segundo Leônidas, a rota de luzes ainda está sendo definida. A ideia é que o roteiro possa ser feito pelas famílias com distanciamento social. “Mesmo que a situação da epidemia piore e Belo Horizonte regrida na reabertura, ainda assim será possível ver todo o roteiro da iluminação de carro”, explicou o secretário, já adiantando que o projeto deste ano tem uma pegada mais audiovisual.

No ano passado, em uma versão mais enxuta, a iluminação de Natal contou com 1.500 jogos de microlâmpadas de LED e mais de 300 jogos de estrobos. Em 2018, a iluminação foi mais elaborada e contou com cerca de 400 mil pontos de luz. Naquele ano, já havia sido colocado em prática um plano de descentralização da iluminação, com ações em bairros mais distantes da região central. 

A iluminação na Praça da Liberdade, que se tornou um tradicional passeio entre belo-horizontinos e visitantes, é realizada há 33 anos. Neste ano, por causa da pandemia, a praça chegou a ficar fechada por grades por mais de quatro meses, para conter os casos de novo coronavírus.

A Prefeitura de Belo Horizonte afirmou que todo e qualquer local que tiver a pretensão de realizar iluminação e decoração de natal deverá garantir o cumprimento do protocolo do seu setor ou da Portaria 312/2020  da Secretaria Municipal de Saúde. "No caso da Praça da Liberdade, a prefeitura ainda está em diálogo com o Governo do Estado para debater a maneira mais adequada e segura, que não gere qualquer aglomeração", disse a administração municipal.

_RIV9014.JPG

No ano passado, iluminação foi mais simples, mas não deixou de atrair visitantes

Reabertura dos espaços

Muitos espaços do Circuito Liberdade ainda estão fechados por causa da pandemia, mas devem abrir as portas na semana que vem. De acordo com Leônidas, no dia 2 de dezembro, haverá uma comemoração dos 300 anos de Minas Gerais e a data será celebrada com a reabertura de equipamentos culturais importantes, como o MMGerdau. 

“Só não conseguimos autorização para a reabertura da Biblioteca Pública, por causa de um difícil controle sanitário no compartilhamento de livros”, contou o secretário.

O Palácio da Liberdade também deve ser reaberto para visitação pública e existe um projeto educacional para o ano que vem de treinamento de professores, que poderão levar alunos para visitar o espaço em um contexto pós-pandêmico. “Poderemos ter uma educação patrimonial mais sólida. Com patrocínio da Copasa, poderemos levar os alunos para conhecerem o palácio com ônibus e lanche”, adiantou.

A reportagem entrou em contato com CDL/BH e Cemig e elas informaram que irão se manifestar em breve sobre como será a participação de cada uma na realização do projeto.