Está fechado para visitação por tempo indeterminado, em decorrência de um incêndio de grandes proporções, o Parque Nacional da Serra do Cipó, localizado em Santana do Riacho, na região Central do Estado. As chamas, que se iniciaram na última terça-feira (8) fora da área de preservação, em Itabira, na mesma região, acabaram invadindo o parque na tarde de quarta-feira (9). Apesar dos esforços dos brigadistas, até o momento, uma área de 3.200 hectares, cerca de 10% de todo o parque, já foi destruída pelo incêndio, que começou na parte alta e agora já ameaça as principais atrações.

Por conta do fechamento, por enquanto não é possível visitar as cachoeiras da Farofa, das Andorinhas, Gavião, Tombador e o Cânion das Bandeirinhas. O Hoje em Dia conversou, nesta sexta-feira (11), com o gestor do Parque Nacional, Leandro Chagas, que explicou que, no momento, 54 brigadistas atuam no combate às chamas de forma ininterrupta, inclusive durante o período noturno. Diante da situação grave, equipes de prevenção de incêndio de outros parques nacionais, como Sempre Vivas, Caparaó e Canastra, estão na Serra do Cipó para auxiliar nos trabalhos. 

Desde quinta-feira (10), os brigadistas passaram a contar com o apoio do Corpo de Bombeiros, que enviou duas viaturas, e com um helicóptero da Polícia Militar (PM). Além disso, um avião Air Tractor do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) também atua no combate as chamas. 

"O fogo começou na terça em uma área conhecida como Mata das Flores, na parte externa do parque. Na tarde do dia 9, as chamas acabaram entrando no parque, na região da Casa dos Currais, que é na parte alta, ponto onde montanhistas fazem a travessia do Alto Palácio, na Serra dos Alves. Já na quinta-feira (10), o fogo passou pela Serra das Bandeirinhas. Apesar dos nossos esforços, as chamas resistiram e, hoje (sexta), o incêndio se espalhou em várias frentes e já ameaça atingir a baixada do córrego dos Mascates, que é onde ficam o Cânion das Bandeirinhas e a Cachoeira da Farofa", informou o gestor. 

Ao mesmo tempo, o fogo também ameaça outra região bastante visitada pelos turistas, o vale do rio Bocaina, que é onde estão as cachoeiras do Gavião, Andorinhas e Tombador. "São atrativos que têm ampla visitação e, por isso, decidimos suspender a visitação no parque até que as chamas sejam controladas", completou Chagas. 

No fim da tarde desta sexta-feira (11), a direção do parque informou que as equipes seguiam em combate às chamas, que não haviam sido debeladas ou controladas. "Vamos continuar os trabalhos madrugada durante a madrugada e, por questão de segurança, o parque permanecerá fechado neste sábado (12), quando voltaremos a nos reunir no fim da tarde para avaliar a possibilidade ou não de abertura no domingo (13)", explicou o gestor do parque. 

Confira um vídeo do combate às chamas nesta sexta-feira: 

Risco para a biodiversidade 

Leandro Chagas chama atenção para a importância da região que está sendo destruída. "É uma área muito importante da Serra do Espinhaço, dominada por campos rupestres, a flora mais diversa do planeta. Além disso, existem aqui centenas de nascentes que contribuem com as bacias dos rios São Francisco e Doce, os dois maiores e mais importantes de Minas Gerais", explica. 

Ainda segundo o gestor do parque, não é possível afirmar que trata-se de um incêndio criminoso, mas ele afirma que o fogo se iniciou fora das áreas do parque e acabou adentrando na unidade de conservação. 

Leia mais:
Prefeitura de Diamantina autoriza compra de materiais para obras em capela destruída por incêndio
Incêndio ameaça granja e fábrica de doces em Sete Lagoas; veja vídeo
Papa Francisco abre Sínodo da Amazônia com missa voltada à floresta

Confira outras fotos do incêndio: