A Polícia Civil de Minas concluiu nesta terça-feira (1º) o inquérito sobre o caso de tortura em um asilo particular em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Cinco suspeitos presos no início das investigações, sendo quatro da mesma família e um cuidador contratado, foram indiciados. Eles vão responder pela morte de 18 idosos em consequência dos maus-tratos.

O caso foi descoberto 25 de julho após a polícia receber denúncias de maus-tratos e prender a dona do asilo e a filha dela por suspeita de torturar e agredir os internos da instituição, que foi interditada pela prefeitura. Vários idosos foram internados com quadros de pneumonia, fratura, desnutrição e agressões. Cerca de uma semana depois, o marido da mulher, uma outra filha do casal e um cuidador contratado também foram presos.

As investigações duraram 60 dias e, nesse período, foram ouvidas mais de 50 pessoas e recolhidas dezenas de provas documentais e laudos médicos, além da realização de perícias. 

Segundo a Polícia Civil, foram registradas 76 vítimas. Dezoito chegaram a morrer em razão dos maus-tratos. Também foi constatada a ocorrência de crimes sexuais contra dois internos.

A reportagem não conseguiu falar com o advogado de defesa dos indiciados.

Leia mais:
Polícia prende mãe e filha por suspeita de torturar idosos em asilo de Santa Luzia
Polícia investiga mortes de dez idosos em asilo de Santa Luzia
Suspeito de praticar maus-tratos, funcionário de asilo interditado é preso em Santa Luzia