A Polícia Civil prendeu na segunda-feira (29) mais dois homens suspeitos de envolvimento na morte de Greiciara Belo Vieira, de 19 anos, em Ituiutaba, região do Triângulo Mineiro. Ela estava grávida de nove meses e foi assassinada para ter o bebê roubado.

Agora, o número de presos que teriam participado do brutal homicídio subiu para seis. Entre eles estão uma enfermeira e a mulher que teria encomendado o assassinato e o sequestro do bebê. "Após a autoridade policial representar pelas decretações das prisões preventivas dos demais envolvidos, contamos com rápida manifestação favorável do Ministério Público e imediata decretação das prisões pelo Judiciário", declarou o delegado Carlos Fernandes.

Com as novas prisões, a polícia espera concluir o inquérito sobre o caso nos próximos dias.

Saiba mais:
Avó consegue guarda de bebê arrancado da barriga da mãe
Quatro pessoas já foram presas suspeitas de matar grávida e sequestrar bebê em Ituiutaba
Presos mais dois que teriam sequestrado e matado grávida para roubar bebè em Ituiutaba
Polícia prende casal suspeito de matar grávida e raptar bebê
Polícia Civil investiga morte de grávida e desaparecimento de bebê em Ituiutaba

Crime brutal

Seis suspeitos de ter participado do assassinato da grávida Greiciara foram presos pela Polícia Civil. Entre os supostos envolvidos estão uma enfermeira e uma mulher que teria encomendado o homicídio.

Segundo apontou a investigação, a mulher, de 30 anos estava grávida, mas sofreu um aborto e escondeu da família. Ela planejou o crime colocar a criança no lugar o filho que esperava.

Greiciara foi sequestrada no último dia 18 e o corpo dela só foi localizado três dias depois, em uma represa em Ituiutaba. A barriga dela estava aberta e sem o bebê.

Ainda conforme a polícia, os suspeitos amarraram uma pedra no pescoço da vítima para que o corpo afundasse e não fosse localizado. Todos os presos serão indiciados por homicídio duplamente qualificado, sequestro, ocultação de cadáver e subtração de incapaz.

Guarda

A avó da criança conseguiu na Justiça a guarda provisória do neto. Desde o crime, o bebê estava internado no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia.