Sede Máfia Azul

Sede da Máfia Azul, no Barro Preto, sofreu nova tentativa de invasão na noite da última quinta-feira por integrantes da Galoucura

Cinco integrantes da principal torcida organizada do Atlético foram presos em flagrante após agredir cruzeirenses e danificar o portão do galpão da sede da Máfia Azul, no Barro Preto, no fim da noite da última quinta-feira (30).

De acordo com a Polícia Militar, moradores da região ligaram para o 190 relatando que cerca de 20 atleticanos estavam atacando o local, na entrada pela rua Timbiras, em frente à sede administrativa do Cruzeiro, utilizando rojões, pedras e bastões de madeira.

Ainda segundo a denúncia, no galpão eram cinco os integrantes da maior torcida organizada cruzeirense. Um deles sofreu uma lesão no braço, mas negou atendimento médico.

Prisão

Viaturas da PM foram deslocadas para a ocorrência. Uma delas localizou um veículo Palio prata, fugindo do local de ataque. Eles foram perseguidos e interceptados durante a operação para cerco e bloqueio na rua Padre Eustáquio, no bairro Carlos Prates, na região Noroeste da cidade.

As cinco pessoas que estavam no carro confessaram que participaram no ataque à sede da Máfia Azul, que seria em retaliação a uma investida da torcida rival em data anterior.

As brigas entre as duas organizadas aumentaram nos últimos dois anos. Isso porque integrantes da Máfia Azul roubaram e queimaram, tudo registrado em vídeo, um enorme bandeirão que a Galoucura tinha encomendado para abrir na partida de volta da decisão do Campeonato Mineiro de 2017.

O jogo foi disputado no Independência, em 7 de maio de 2017, e a ação dos cruzeirenses foi dois dias antes, no galpão de uma pessoa de Belo Horizonte que tem como especialidade fazer bandeiras e bandeirões para torcidas organizadas de todo o Brasil.

Neste período de isolamento social, já tinha sido registrada outra tentativa de invasão da sede da Máfia Azul pela Galoucura, no dia em que os cruzierenses faziam uma live pelo Instagram com integrantes da Torcida Jovem, do Sport.

O grupo de atleticanos preso na noite da última quinta-feira foi encaminhado para a Central de Flagrantes 4, no bairro Alípio de Melo. Um celular, que não pertencia aos torcedores do Atlético e que estava no carro, foi apreendido. O veículo foi removido para um pátio credenciado pelo Detran.

A reportagem teve acesso a um vídeo gravado durante o ataque. Confira:

Leia mais:
Presente no dia a dia do Atlético, Sr. Laerte vive momentos de tristeza durante a quarentena
Ministro do STF dá 5 dias para PF tomar depoimento de Moro