A Polícia Civil concluiu o inquérito para apurar a morte de um suspeito de um assalto em um supermercado, no bairro Goiânia, região Leste de Belo Horizonte, em 22 de junho deste ano. O homem morreu após atirar, acidentalmente, contra a própria cabeça, enquanto mantinha uma funcionária do local como refém.
 
Segundo as investigações conduzidas pela equipe de policiais do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), por meio da Delegacia Especializada em Homicídios Leste, testemunhas relatam que o homem e outros três comparsas entraram no supermercado portando armas de fogo, anunciaram o assalto e exigiram a presença da tesoureira do estabelecimento.
 
Conforme os depoimentos, ao se apresentar como tesoureira do supermercado, a funcionária foi puxada, pelo cabelo, pelo suspeito, que apontou a arma de fogo contra a cabeça da mulher e ordenou que ela abrisse o cofre. 
 
A caminho do local onde estava guardado o dinheiro, os dois passaram por um corredor estreito, momento em que a vítima escutou um disparo próximo a sua cabeça. Ao olhar para trás, ela viu o assaltante caído ao chão. Levantamentos indicam que o homem teria batido com o braço em uma prateleira, acionando, assim, o gatilho da arma que portava.
 
A funcionária do supermercado relatou que o assaltante aparentava estar nervoso e durante todo o tempo mantinha o dedo no gatilho. O laudo de exame de necropsia concluiu como causa da morte traumatismo cranioencefálico por objeto pérfuro-contundente, introjetado a curta distância. O assalto ao supermercado está sendo investigado pela 2ª Delegacia de Polícia Civil Leste.