A violência contra a mulher cresce em Belo Horizonte desde o início deste ano. Em março de 2021, por exemplo, foram registrados 1.442 casos contra 1336 registros no mesmo período de 2020.  

Uma das causas apontadas é o confinamento imposto pelo isolamento social. A pandemia não só obrigou as mulheres a conviverem com seus agressores, como também dificultou as denúncias de casos de violência doméstica.

Infelizmente, essa é a realidade de milhares de mulheres em todo o país. O Brasil é um dos líderes no ranking da violência doméstica no mundo.

A cada minuto, oito mulheres são agredidas no país. Elas sofrem caladas, têm medo de se expor e até vergonha de ser vítima desse tipo de violência. A maioria só registra queixa depois de levar, em média, dez surras e o agressor, na maior parte dos casos, é o próprio companheiro.

A chefe da Divisão Especializada em Atendimento à Mulher, ao Idoso e à Pessoa com Deficiência e Vítimas de Intolerância, Isabella Franca Oliveira, conversa com a repórter Maria Amélia Ávila sobre o aumento da violência doméstica, nesta quinta-feira (24), às 17h30. A live será transmitida pelo Instagram do Hoje em Dia.