O detento Jailson Alves Oliveira, uma das testemunhas mais importantes no caso que envolve o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, disse durante o julgamento que recebeu R$ 50 de "Zezé", um dos policiais investigados pela morte da ex-modelo.

Jailson disse que confundia José Lauriano Alvez, o "Zezé", com Gilson Costa. Ambos são investigados em uma investigação paralela.

Segundo ele, no dia da acareação, um policial que mais tarde ele reconheceu como Gilson, devido a uma pinta que o policial tem no rosto. O homem foi descrito ainda como careta. Segundo ele, Gilson entregou R$ 50 para que "Zezé" entregasse a ele o dinheiro.

Ameaçado por policial durante acareação

Jailson contou ainda que, no dia da acareação, foi ameaçado por um policial, na presença dos delegados e de "Bola", com um ferro que o prensava na parede.

O policial teria dito para ele fazer como o Bruno e o "Macarrão", que naquela época mantinham silêncio sobre o caso. O detento teria ouvido: "Faça como o Macarrão e o Bruno, fique de bico calado". Quando estava deixando o Deoesp, onde prestou o depoimento, ouviu dois detetives comentarem que o policial que ameaçou Jailson era "o tal do Zezé".