O ex-ministro do Superior Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa voltou a usar sua conta no Twitter para criticar o parlamentarismo e disse que se a população soubesse como o sistema funciona, ficaria "horrorizada". "Parlamentarismo é um sistema de governo em que as decisões políticas supremas são tomadas por um colegiado chamado Gabinete. Membros desse Gabinete? Líderes e representantes de partidos que formam uma "maioria" no Parlamento. O governo "sai" dessa maioria", escreveu, em sua conta pessoal.

Barbosa citou alguns dirigentes de partidos como o deputado federal e presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, e o presidente do PT nacional, Rui Falcão, que, segundo ele, ganhariam força com a mudança do sistema governamental. "Agora vem a pergunta crucial: vc sabe a quem caberiam as decisões políticas supremas no Brasil se vivêssemos sob o regime parlamentarista? Eis a resposta: Paulinho da Força, Rui Falcão, Roberto Freire, (Carlos) Siqueira, (Carlos) Lupi e outros do mesmo naipe. Vc quer isso? Não dá, né?", escreveu, referindo-se também aos presidente do PPS, PSB e PDT.

Assim como fez no mês passado, Barbosa disse ainda que "em breve" dará explicações técnicas e práticas sobre parlamentarismo. O ex-ministro disse que o sistema presidencial de governo "tem virtualidades que poucos homens de Estado são capazes de captar" e citou nomes de ex-presidentes do Brasil, como Luiz Inácio Lula da Silva e Getúlio Vargas, e também ex-comandantes dos Estados Unidos, como Abraham Lincoln e Franklin Roosevelt.

No fim do mês passado, ao se declarar contrário à redução da maioridade penal - que estava em votação na Câmara -, Barbosa disse que era preciso desconfiar "dos propósitos e da ideologia dessa maioria parlamentar que quer impor a sua agenda ao nosso País".

"Por falar em "maioria" parlamentar, em breve, esclarecerei outra enorme insensatez que essa turma quer nos impor: o parlamentarismo", disse. "É provável que muitos dentre os que querem nos impor o parlamentarismo pouco saibam sobre esse sistema e como ele funciona na prática", completou.

As primeiras declarações de Barbosa contra o regime aconteceram após o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, fazer declarações defendendo a implantação do parlamentarismo no Brasil. "Temos que discutir o parlamentarismo no Brasil, e rápido. Um debate para valer e votar", afirmou Cunha em uma agenda em Manaus, no mês passado. "Com certeza, vamos tentar votar na minha presidência." Segundo ele, o modelo seria implantado a partir de 2019, pois durante o atual mandato "seria um golpe branco".