O segundo julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", condenado a 22 anos de prisão pelo sequestro e morte de Eliza Samudio, que seria realizado na manhã desta quarta-feira (16) foi adiado.

Desta vez, ele seria julgado pelo assassinato do carcereiro Rogério Martins Novello, ocorrido em maio de 2000. No entanto, de acordo com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o pai de um dos advogados da defesa faleceu na manhã de hoje.

Remarcado pela terceira vez

Com o fato, o julgamento foi remarcado, pela terceira vez, para o dia 17 de março de 2016, data disponível pelo juri da comarca de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

No dia 5 de novembro de 2012, o "Bola" já havia sido absolvido por um júri pelo mesmo crime, no entanto, o Ministério Público (MP) entrou com um recurso pedindo que o julgamento fosse anulado devido a um vídeo exibido pela defesa.

A mídia mostrava o ex-policial fazendo treinamento com armas de fogo e, segundo a promotoria, as imagens teriam intimidado os jurados. O novo julgamento foi decidido pelos desembargadores da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Os magistrados aceitaram recurso do Ministério Público (MP), que alegou que o Conselho de Sentença que absolveu "Bola" agiu de forma manifestamente contrária às provas contidas no processo.

Assassinato

Segundo denúncia do MP, o ex-policial foi quem atirou contra o carcereiro em 2000, na porta do estabelecimento comercial onde trabalhava, no bairro São Joaquim, em Contagem. No dia do crime, a vítima estava dentro de um veículo. Ainda conforme o MP, o homicídio foi encomendado.

Além disso, foi argumentado que dados do processo revelam que o réu teria estreitado o local de trabalho do carcereiro na tentativa de identificar sua vítima. O ex-policial foi reconhecido em 2010 pela irmã da vítima, que presenciou o crime. Ela o identificou como o responsável pela morte do irmão depois que viu sua imagem sendo veiculada em diversas emissoras de TV e em jornais pelo envolvimento no assassinato de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno.

*Com informações de Cristina Barroca