A Justiça mineira condenou a 87 anos e nove meses prisão duas mulheres e um homem que sequestraram e mataram uma grávida de nove meses para roubar o bebê dela. O crime aconteceu em agosto de 2016, em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro. Um homem que também havia sido indiciado foi inocentado do brutal assassinato.

O julgamento foi presidido pelo juiz Silas Dias de Oliveira Filho, que determinou que todos os sentenciados não poderão recorrer das penas em liberdade. O trio foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver e subtração de incapaz. Uma das mulheres foi sentenciada a 33 anos e 7 meses de reclusão, e a outra a 28 anos e 3 meses. O homem recebeu pena de 25 anos e nove meses de prisão.

Todos os réus alegaram falta de provas durante o julgamento. Mas, o conselho de sentença reconheceu a participação deles no sequestro e no crime.

Denúncia

Segundo a denúncia do Ministério Público, os condenados sequestraram a mulher, depois a doparam e, de forma violenta, arrancaram o bebê da barriga dela. A incisão foi feita com a vítima ainda viva. Posteriormente, a grávida foi asfixiada. Depois da morte dela, os suspeitos colocaram uma pedra em seu ventre e enrolaram o corpo com tela de arame, atirando-o na represa. O corpo só foi localizado três dias depois.

A intenção dos réus, de acordo com a acusação, era que a criança fosse entregue para uma das mulheres para que ela a apresentasse como sua. Os demais acusados receberam dinheiro para participar do crime.

Depois do assassinato da grávida, a avó do bebê conseguiu a guarda definitiva para cuidar da criança.

Leia mais:
Após exame de DNA, avó consegue guarda definitiva de bebê arrancado da barriga da mãe
Inquérito sobre morte de grávida será concluído nos próximos dias; presos chegam a seis
Avó consegue guarda de bebê arrancado da barriga da mãe