O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) determinou que a Prefeitura de Belo Horizonte deve cumprir contrato com as empresas de ônibus e reajustar as passagens do transporte coletivo. A decisão foi tomada pelo juiz plantonista Rogério Santos Araújo Abreu em 27 de dezembro, mas foi divulgada somente nesta segunda-feira (30).

No dia 19 de dezembro, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) anunciou, após reunião com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setra-BH), que o aumento de R$ 0,25 estava vetado. 

A decisão atende um pedido do Consórcio Dez, uma das empresas que operaram o transporte na capital. A empresa alega que o contrato assinado em 2008, com vigência programada por 20 anos, prevê reajustes anuais com fórmula paramétrica fixada. 

Ainda segundo a empresa, o município de Belo Horizonte, "sem explicar os motivos e de forma ilegal, se recusou a homologar o reajuste e, caso o reajuste não ocorra, o serviço prestado será prejudicado".

Atualmente a tarifa principal custa R$ 4,50.

A prefeitura de Belo Horizonte informou que ainda não vai se pronunciar porque não foi notificada da decisão.

Já o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) informou que vai aguardar a determinação da Justiça e o posicionamento da prefeitura.

Leia mais:

Passagens de ônibus metropolitanos ficam mais caras a partir deste domingo
Passagem de ônibus ficará mais cara em Betim a partir do dia 1º
Em Contagem, usuários do Cartão Ótimo deixam de ter desconto de R$ 0,15 na tarifa de ônibus