O Tribunal de Justiça de Minas Gerais negou um pedido de recurso da Prefeitura de Belo Horizonte e manteve a liminar que suspende o decreto municipal criado para regulamentar o transporte por aplicativos na capital. A desembargadora Ângela Rodrigues, da 8ª Câmara Cível, negou o agravo (recurso referente a uma liminar) e a prefeitura deve aguardar o julgamento da situação, mas não há previsão para isso.

O decreto 16.832/18 foi instituído no início do ano para regulamentar o trabalho de empresas como Uber, Cabify e 99Pop, e causou polêmica por estabelecer uma cobrança de taxa pelas corridas. No dia 29 de janeiro, o decreto foi suspenso por uma liminar que atendeu pedido do vereador Gabriel Azevedo (PHS). Ele alegou que a regulamentação deveria ser feita por lei aprovada na Câmara Municipal e não pelo Executivo.

Enquanto a situação não é resolvida na Justiça, o prefeito Alexandre Kalil articula com a Câmara de Vereadores o envio de um projeto de lei com mesmo conteúdo do decreto para ser votado na Plenária.

Leia mais:
Após liminar derrubar decreto, PBH desenvolve projeto para regulamentar transporte por aplicativos
Vereadores voltam a discutir regulamentação do serviço de aplicativos de transporte em BH
Novela dos aplicativos de transporte tem novo capítulo na capital mineira
Taxa de 1% sobre o valor de cada corrida pode elevar tarifa em transporte por aplicativo