A defesa do estudante de 18 anos, que está preso no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte, suspeito de agredir o colega Luiz Felipe Siqueira de Sousa, de 17 anos, que morreu na última terça-feira (20), entrou com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) nessa quinta-feira (22).

Segundo o TJMG, o desembargador negou liminarmente, ou seja, de forma provisória, o pedido que garantiria a soltura, mas resta ainda a análise do mérito.

Luiz Felipe Siqueira, de 17 anos, morreu após uma semana internado no Hospital João XXIII. No dia 14, os jovens jogavam futebol durante o recreio no Instituto de Educação, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, quando teria ocorrido um desentendimento. A vítima foi agredida com socos e pontapés, tentou fugir, mas foi perseguida. 

Imagens do circuito interno da escola registraram a violência:

O defensor público responsável pelo caso informou que vai pedir que ele seja julgado por lesão corporal. "Ele não teve a intenção de matar o colega. Houve, sim, a agressão, mas ela não foi iniciada com esse intuito”, justificou William Vaz.

A Secretaria de Estado da Educação (SEE) determinou a instauração de uma sindicância para apurar o caso.

Leia mais:
Pai de jovem preso por agressão em escola de BH teria recebido ameaças de morte
Corpo de adolescente agredido no Instituto de Educação é enterrado no Vale do Jequitinhonha
Morte de estudante em BH é um alerta para nível de violência em instituições de ensino
Córneas do estudante que morreu após agressão no Instituto de Educação serão doadas
Alunos do Iemg fazem ato em memória de estudante morto