Foram ouvidas na tarde desta terça-feira (19) pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, titular da Vara Especializada em Crimes contra a Criança e o Adolescente, cinco das oito vítimas que relataram ter sofrido abuso sexual em uma escola de futebol de um clube do bairro Braúnas, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. Durante a audiência de instrução, as crianças e adolescentes apontaram o professor como o autor dos abusos.

Ainda de acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), os depoimentos foram colhidos por uma psicóloga judicial em sala especial. Além disso, os diálogos foram transmitidos por meio de sistema de vídeo à sala de audiência onde estavam a juíza, a promotora de justiça e dois defensores do acusado.

técnico escolinha futebol estupro
Os estupros aconteciam dentro das dependências do clube, localizado no bairro Braúnas, na Pampulha

Os crimes vieram à tona após uma das crianças dizer para a mãe que não queria mais frequentar a escolinha por não suportar mais as investidas do instrutor. A mulher então procurou a mãe de outro aluno e este contou que os fatos também ocorriam com ele. A partir daí, outros três alunos também acusaram o professor, revelando detalhes semelhantes de como e onde os abusos ocorriam.

Nos relatos, os garotos e uma menina relataram que o professor pedia ajuda para pegar material de treino em um escritório próximo ao vestiário, onde os abusos ocorriam. Nesta terça, foram ouvidos pela Justiça um adolescente de 15 anos, um menino de 10, dois de 11 e uma menina de 12.

O crime

Para indiciar o professor, a Polícia Civil colheu depoimentos de 13 envolvidos nos abusos e também anexou ao inquérito exames de corpo de delito. A delegada informou que aguarda os resultados das perícias que estão sendo feitas em três celulares, um gabinete de computador, dois notebooks, cinco pen-drives, quatro CDs, três DVDs e um cartão de memória do treinador. O resultado pode apontar outros crimes praticados pelo homem.

Segundo as investigações, os estupros aconteciam dentro do campo, no vestiário e em outros locais de um clube no bairro Braúnas, onde as aulas eram ministradas. Quando foi preso, o suspeito teria confessado que tocou nos órgãos genitais de uma das vítimas, mas os relatos dos jovens indicam que houve, inclusive, conjunção carnal. 

Ainda segundo a investigação, para atrair os menores, o suspeito pagava entre R$ 5 a R$ 10, além de usar da influência como treinador. Segundo os menores, os estupros ocorriam desde setembro de 2018. O homem era casado e não tinha passagem pela polícia. 

A reportagem do Hoje em Dia não conseguiu contato com a defesa do treinador. O clube onde os abusos sexuais aconteciam disse, na época, que estava consternado com o crime. "Manifesta seu mais veemente repúdio aos lamentáveis acontecimentos. Diante do fato a Associação já está tomando as medidas cabíveis, como a demissão por justa causa do funcionário e a proibição de frequentar as dependências da associação", informou o clube, por nota.

Leia mais:
Treinador pode ter abusado de mais crianças em escolinha de futebol, afirma Polícia Civil
Treinador abusou de pelo menos seis crianças em escolinha de futebol de BH, diz polícia
Técnico de escolinha de futebol é suspeito de estuprar pelo menos quatro alunos em clube na Pampulha